´Doutor Morte´ é libertado após oito anos na prisão

Jack Kevorkian, que teria ajudado na realização de pelo menos 130 suicídios nos Estados Unidos, é solto depois de cumprir pena de oito anos por homicídio

Agencia Estado

12 de junho de 2007 | 05h21

O médico legista Jack Kevorkian, apelidado de "Doutor Morte" por suposta participação em pelo menos 130 suicídios assistidos, deixou a prisão após oito anos, reafirmando que as pessoas têm o direito de morrer.Sorridente, Kervokian, agora com 79 anos, disse estar passando por "um dos grandes momentos da vida" ao deixar a prisão, acompanhado do advogado.O jornalista Mike Wallace, de 89 anos, que transmitiu pela televisão um suicídio assistido por Kervokian - reportagem que levou ao julgamento e condenação do médico - encontrou-se com ele do lado de fora da cadeia, e o abraçou. Kervokian deverá aparecer no programa de televisão "60 Minutes" no domingo, 3.O advogado Mayer Morganroth disse que o médico não fará declarações nesta sexta-feira, mas deverá conceder uma entrevista coletiva na próxima semana.Durante a década de 90, Kervokian desafiou as autoridades a legalizar sua atividade, ou prendê-lo. Ele queimou ordens judiciais contra sua pessoa e apareceu fantasiado para um audiência judicial."Você acha que vou obedecer a lei? Você está louco", disse ele, em 1998, antes de ser acusado - e preso - pelo assassinato de Thomas Youk, de 52 anos. Kevorkian havia gravado a morte de Youk em vídeo e enviado a fita ao "60 Minutes".Ele havia sido condenado a uma pena mínima de 10 anos, mais saiu mais cedo por bom comportamento.O médico prometeu nunca mais ajudar uma pessoa a se matar, mas sua assessora, Ruth Holmes, diz que as opiniões de Kervokian não mudaram. "Este deveria ser um assunto tratado, fundamentalmente, entre o paciente, o médico, a família e Deus", disse Holmes, descrevendo a posição do médico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.