Drama real

O perigo representado pela Medusa não era pouco: bastava fitar aquele ser, que tinha cobras no lugar de fios de cabelo, para que qualquer um virasse pedra. Defender-se de seu olhar mortal com um escudo refletor foi um golpe inteligente do herói Perseu. Mas Michelangelo Merisi de Caravaggio (1571- 1610) foi até mais genial: pintou sua 'Medusa Murtola' (que você vê acima) sob o ponto de vista do ser mitológico, no instante derradeiro em que ela se vê, já degolada, refletida naquele escudo.

O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h12

A obra foi reconhecida recentemente como a primeira Medusa pintada por Caravaggio - 'desbancando' o famoso exemplar que está na Galleria degli Uffizi, em Florença. A tela, que pertence

a uma coleção particular e é exposta pela primeira vez fora da Itália, integra

Caravaggio e Seus Seguidores, mostra que o Masp abre nesta 4ª (1/8).

Os contrastes abruptos entre claro e escuro - que consagraram o mestre barroco e que dão à sua obra forte carga dramática - podem ser vistos em seis pinturas. "Com o uso da luz, ele revela mas também esconde muita coisa; dá a noção de que o mundo não está totalmente revelado, existem mistérios", diz Fábio Magalhães, um dos curadores.

Ao lado dessas obras, estão outros 14 trabalhos feitos pelos chamados 'caravaggescos', artistas influenciados diretamente por seu estilo. Entre eles, estão Artemisia Gentileschi (único que conviveu diretamente com o gênio) e Bartolomeo Cavarozzi. Tudo para mostrar como as técnicas de Caravaggio repercutiram em toda a Europa. E mudaram a história da arte. Marina Vaz

ONDE: Masp. Av. Paulista, 1.578, 3251-5644. QUANDO: 11h/18h (5ª, 11h/20h; fecha 2ª). Inauguração: 4ª (1/8). Até 30/9. QUANTO: R$ 15 (3ª, grátis).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.