Drone americano é suspeito de matar dois iemenitas da al Qaeda

Dois iemenitas membros da al Qaeda foram mortos no seu carro, pelo que parecia ser um Drone americano -avião operado por controle remoto- no vale Wadi Rafad na província de Shabwa, no sul do Iêmen, neste domingo, segundo declarações de moradores do local e do porta-voz do Ansar al-Sharia, facção terrorista ligada à al Qaeda.

REUTERS

06 Maio 2012 | 17h48

Acredita-se que um dos mortos seria Fahd al-Qasaa, que foi condenado por sua participação no bombardeio do USS Cole, no porto de Aden, em 2000 -que matou 17 marinheiros americanos- e que fugiu da prisão em 2005, e que o outro homem era Fahed Salem al-Akdam, disseram os moradores.

O avião que disparou o míssil foi visto no céu, eles disseram. Mais ninguém morreu no ataque e não havia mais pessoas no veículo, segundo os moradores.

Uma autoridade do governo local, confirmou o ataque e, separadamente, um comunicado da al Qaeda informou: "A al Qaeda confirma o martírio de Fahd al-Qasaa durante um ataque americano esta tarde em Rafad."

O site do governo escreveu no dia 26 de setembro que um terceiro agente da al Qaeda foi preso em Aden, junto com outro homem.

A facção iemenita da al Qaeda que tem planejado mal sucedidos ataques internacionais, tem sido uma grande preocupação para Washington, que está travando uma campanha de assassinatos contra supostos integrantes do grupo usando drones e ataques com mísseis.

Os EUA querem que o novo presidente do Iêmen -que assumiu o poder depois de um ano de protestos em massa contra seu antecessor, viu os militares do Iêmen se dividindo em facções em guerra- unifique as forças armadas e as utilize para lutar contra os grupos de militantes islâmicos.

Um grupo ligado à al Qaeda tomou partes do território ao sul do Iêmen, durante a revolta contra o ex-presidente Ali Abdullah Saleh, um aliado leal dos EUA e matou cerca de 100 soldados iemenitas em um único ataque próximo à essas áreas, em março.

O uso de drones tem sido alvo de controvérsias no Iêmen, Afeganistão e Paquistão, onde Washington também está lutando contra grupos da al Qaeda. Os drones são vistos pelos moradores como uma forma de execução extrajudicial, que também coloca em perigo pessoas que não são seu alvo.

Uma autoridade iemenita disse neste domingo que dois cidadãos belgas, de ascendência árabe, podem ser deportados depois que foram detidos no mês passado por suspeita de envolvimento em atividades militantes.

Ele disse que Ebrahim Bali e Ezzeddine Tuhairi foram detidos em 13 de abril no aeroporto de Sanaa, quando tentavam entrar no país.

"Eles foram presos sob suspeita de atividade terrorista no Iêmen. Estamos em processo de negociação com o governo belga. Eles devem ser deportados daqui a alguns dias" trouxe a autoridade.

Um porta-voz do Ministério do Exterior da Bélgica confirmou que os dois homens haviam sido detidos por suspeita de envolvimento em atividades "terroristas" e disse que Bruxelas estava buscando acesso via consulado com eles.

(Edição de Patrícia Duarte)

Mais conteúdo sobre:
IMEN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.