Duelo de estrelas da propaganda

Martin Sorrell, da WPP, se sai melhor nos debates do que Maurice Lévy, da Publicis

, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2011 | 00h00

As duas maiores estrelas da propaganda mundial não frequentam a mesma sala. Dizem que quando um entra, o outro sai. Mas, durante o maior evento global do segmento, realizado na Riviera francesa, eles sobem ao mesmo palco.

Evidentemente, não ao mesmo tempo. Foi assim, mais uma vez, na 58ª edição do Cannes Lions, encerrada ontem.

O primeiro a subir foi o inglês Martin Sorrell, presidente do maior conglomerado de serviços de marketing do mundo, o WPP. Ele comandou mais uma vez o já tradicional The Cannes Debate.

Desta vez, o tema foi a mídia como canal também de produção de conteúdo pago pelas marcas. Ciente de que a propaganda clássica perde seu reinado, Sorrell, dono de um conglomerado que investe para seus clientes cerca de R$ 70 bilhões por ano, trouxe ao palco do Palais des Festivals o herdeiro da News Corporation, James Murdoch, e o fundador com Steven Spielberg da produtora de cinema DreamWorks, Jeffrey Katzenberg.

O primeiro, tímido e um tanto inseguro, dava respostas longas a todos os questionamentos, demonstrando que terá de se esforçar para superar o pai, Rupert Murdoch, magnata da comunicação.

Já Katzenberg, em tom irônico e descolado, entreteve a plateia com tiradas divertidas.

O discurso do seminário indica que o mundo mudou tão radicalmente que seria bobagem seguir acreditando que o mundo vai consumir cinema americano, que o jornal continuará sendo impresso e que o telespectador vai olhar para a televisão de forma passiva.

Sorrell insistiu em mostrar que, no futuro, os conteúdos serão apresentados de outra forma. Um dos indicadores é a multiplicidade de telas, como a dos tablets, que já estão alterando a maneira de as pessoas consumirem cultura, por exemplo.

Nestlé. Alto, elegante e sem pendor para piadas, Maurice Lévy, presidente do Grupo Publicis, comandou o seu encontro com anunciantes, também já tradicional no evento anual da propaganda em Cannes. Seu convidado deste ano foi o CEO global da Nestlé, Paul Bulcke, que repetiu o conhecido discurso de que o crescimento da empresa passa pela sua expansão em mercados emergentes.

Neste ano, a disputa das palestras em Cannes deu vitória para Sorrell. Ele e seus convidados parecerem ter entendido melhor que o mundo do marketing vive uma transformação sem volta. Ninguém sabe ainda o que fazer. Mas todos demonstraram estar cientes do estrago.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.