Dunga acaba com sonho de Ronaldo

Treinador deixa evidente que não cogita levar o Fenômeno corintiano para a disputa do quinto Mundial

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2009 | 00h00

A pouco mais de seis meses da Copa, Dunga praticamente acabou com a esperança de Ronaldo disputar o Mundial pela quinta vez. "Certos jogadores não precisam ser testados. Mas peço que vocês não iludam o torcedor e não tentem me induzir a erros cometidos no passado."

Essa foi a resposta que o técnico deu aos jornalistas após ser novamente questionado sobre as chances de convocação do atacante corintiano. Dunga e seu auxiliar, Jorginho, estiveram ontem, em São Paulo, para anunciar os postulantes ao prêmio Craque do Brasileirão - Ronaldo concorre como um dos melhores da posição, junto com Adriano e Iarley.

Dunga não quis dizer quais eram os erros a que se referia. "Vocês sabem do que eu estou falando", completou. "Só espero que não digam que estou bravo, irritado, essas coisas. Estou apenas fazendo uma lembrança..."

As entrelinhas, portanto, ficam claras: o técnico, que assumiu o comando da seleção em 2007 com a missão de "moralizar" a equipe, considerou um equívoco a ida de Ronaldo para a Copa da Alemanha, porque na época se apresentou com vários quilos acima do peso.

Apesar do apelo popular, Dunga garantiu que o Fenômeno não será o seu "Romário", em alusão à enorme pressão para que o Baixinho disputasse a Copa de 2002. Na época, Felipão foi firme e deixou o astro fora do time que conquistou o pentacampeonato no Mundial da Coreia e do Japão.

"As pessoas não querem só o Ronaldo na seleção", driblou Dunga, tirando o corintiano da condição de unanimidade. "Também pedem o Ronaldinho Gaúcho e o Alexandre Pato. A verdade é que todos querem quem está fora e, depois, quando eles estão dentro, não querem mais." E decretou: "Por isso, o técnico ouve tudo e convoca de acordo com suas convicções e análises. Claro que se cria um pouco de constrangimento, mas porque o torcedor é um apaixonado."

Mais uma vez, Dunga foi bastante claro ao traçar o perfil de jogador que levará para a África do Sul. "A questão, agora, não é só técnica. É também sobre comprometimento. Não é só uma exigência minha, mas do grupo. É como dizem: não basta ser honesto - é preciso parecer honesto." Para o técnico, o maior ganho desta filosofia, adotada nos últimos três anos e meio, é o crescente apoio da torcida. "Conseguimos o carinho dos torcedores, é sinal de que fazemos um bom trabalho."

DE OLHO EM 2010

Para a convocação do derradeiro amistoso antes da Copa da África do Sul, em 3 de março, na Inglaterra, Dunga irá se valer de muita conversa e observação. O técnico admite que dificilmente testará novos jogadores na única data Fifa antes do Mundial. "Como agora só teremos um amistoso, terei de ficar mais perto dos jogadores, observando as partidas e trocando informações para saber como estão", comentou. "Em março vou ter a condição de cada um. Só aí vou ver se será necessário trazer algum atleta para olhar mais de perto."

Da briga por uma vaga na lateral esquerda, Fábio Aurélio parece estar mais distante. O jogador, que foi chamado para os duelos contra Inglaterra e Omã, neste mês, se machucou mais uma vez. "Infelizmente, nas vezes em que foi convocado, ele teve problemas. Isso vai dificultando o trabalho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.