Dupla recolhe lixo para fazer esculturas nas ruas de SP

É possível afirmar que fazer arte do lixo é a maneira mais intensa de aderir ao conceito da reciclagem. ?Nosso trabalho é visceral?, concordam, quase em uníssono, os artistas plásticos paulistanos Rodrigo Machado, de 36 anos, e Pado, como é conhecido Cleber Padovani, de 27. Desde o início do ano, eles vêm espalhando pela cidade curiosas esculturas construídas com tranqueiras encontradas pelas ruas. ?É o nosso tapão na orelha da sociedade?, explica Rodrigo, ensaiando um discurso ecologicamente correto.

AE, Agencia Estado

04 de junho de 2009 | 10h04

No processo de criação da dupla tudo acontece meio que por acaso. ?Nos encontramos no domingo, geralmente pela manhã, e damos um rolê de carro por algum bairro, até acharmos um local interessante?, conta Rodrigo. ?Pelo caminho, a gente enche o Uno de lixo.? Apanhado nas ruas, obviamente. Na última criação, domingo retrasado, quando fizeram uma árvore batizada de Pé de Lixo em plena Avenida Paulo VI - prolongamento da Sumaré, na zona oeste da capital -, levaram cerca de três horas apenas para recolher o material pelas redondezas. ?Gastamos mais umas seis horas montando a escultura?, dizem.

Foi a sétima vez que essa rotina se repetiu. Rodrigo e Pado fizeram Sala de Escritório, O Portal, Totem, Esfinge, O Carro, A Girafa e Pé de Lixo, em bairros como Pinheiros, Pompeia, Lapa e Vila Mariana. Segundo estimativa dos artistas, 80% da matéria-prima utilizada vem das ruas. O resto, também lixo, é trazido por eles. ?Até os pregos são reaproveitados?, garante Rodrigo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
artereciclagemSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.