Duplo ataque mata 36 em Lahore

Explosões em mercado no leste do Paquistão também feriram cerca de 100, na maioria, mulheres e crianças

Ap, Reuters e Nyt, O Estadao de S.Paulo

08 Dezembro 2009 | 00h00

Um duplo atentado em um mercado popular da cidade de Lahore deixou pelo menos 36 mortos e cerca de 100 feridos na noite de ontem. As explosões deram origem a um grande incêndio, que destruiu automóveis e lojas. Simultaneamente, homens armados abriram fogo contra a multidão. A maioria das vítimas é de mulheres e crianças.

Os atentados foram lançados no momento de maior movimentação do mercado. Um bebê de 2 anos está entre os mortos, segundo a polícia. As duas bombas foram detonadas num intervalo de 30 segundos. O chefe da polícia de Lahore, Pervez Rathore, afirmou que os explosivos podem ter sido acionados por controle remoto. No entanto, autoridades não determinaram a causa das explosões.

O Moon Market de Lahore tem lojas de roupas e calçados e é bastante frequentado por mulheres que vão ao local com seus filhos. "Todos saíram correndo no momento das explosões. Existia fogo por todos os lados", afirmou Mohammed Nauman, que faziam compras no local. A falta de eletricidade prejudicou a busca por sobreviventes. Rizwan Naseer, diretor-geral dos serviços de resgate, afirmou que o número de vítimas pode aumentar enquanto as equipes fizerem as buscas nos escombros.

Os atentados ocorreram horas depois um homem-bomba matar dez pessoas na frente de um tribunal em Peshawar, no nordeste do Paquistão. Pelo menos 44 ficaram feridos na explosão.

Militantes islâmicos têm promovido uma série de ataques nas últimas semanas, enquanto o Exército promove uma ofensiva contra o Taleban no noroeste, na região da fronteira com o Afeganistão. Mais de 400 pessoas morreram em atentados nos últimos meses.

O Paquistão é aliado dos EUA na luta contra os insurgentes islâmicos da região. Na semana passada, ao anunciar o envio de 30 mil soldados adicionais para integrar as forças internacionais no Afeganistão, o presidente dos EUA, Barack Obama, alertou Islamabad para não permitir que os militantes afegãos busquem refúgio em território paquistanês.

A maioria dos atentados nas últimas semanas atingiu diretamente as forças de segurança. Mas os grandes ataques tiveram como alvo lugares de mais movimento, como mercados populares e mesquitas. As ações contra civis aparentemente buscam enfurecer a opinião pública e pressionar o governo a conter a ofensiva contra os insurgentes. Em outubro, um outro ataque a bomba contra um mercado frequentado por mulheres, em Peshawar, deixou 105 pessoas mortas. O atentado ocorreu enquanto a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, visitava o país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.