''É Brasil A contra Brasil B''

Dunga ironiza duelo com Portugal, que tem 3 brasileiros naturalizados

Almir Leite, CIDADE DO CABO, O Estadao de S.Paulo

05 Dezembro 2009 | 00h00

O grupo do Brasil não é fácil, mas também não é tão difícil. A análise é do técnico Dunga, para quem o fato de a seleção enfrentar adversários como Costa do Marfim e Portugal, equipes que define como "boas", tem a vantagem de obrigar os jogadores a se manterem alertas. "Evita a euforia."

Portugal, na teoria, será o adversário mais difícil, na terceira rodada, em Durban, no dia 25 de junho. Mas, ontem, Dunga já começou a "esquentar o clima" para o duelo. Disse que vai ser Brasil A contra o Brasil B, numa referência ao fato de os portugueses terem na equipe Deco, Pepe e Liedson. O técnico Carlos Queiroz não gostou do comentário. "Bom, então temos de ver que na seleção brasileira há vários netos e bisnetos de portugueses."

Dunga respeita Portugal, apesar da irregularidade que os europeus vêm mostrando nos últimos meses. E alerta para o fato de a partida reunir dos dois melhores jogadores da atualidade, Kaká e Cristiano Ronaldo. "Aqueles 6 a 2 do amistoso (em 2008) fazem parte do passado. Portugal é um time difícil. E o jogo da Copa vai reunir os melhores do mundo."

Fiel ao estilo de não desprezar nenhum adversário, Dunga fez elogios até à Coreia do Norte, o desconhecido (não para ele, garante) adversário da estreia, em 15 de junho, em Johannesburgo. "Se eles chegaram à Copa é porque têm méritos. É um time veloz."

A Costa do Marfim, que o Brasil enfrenta no dia 20, também em Johannesburgo, mas no Estádio Soccer City, preocupa Dunga por causa da experiência de vários de seus jogadores, que atuam no futebol europeu. "É uma seleção forte, com bons jogadores."

Insistindo sempre no equilíbrio das chaves, Dunga só viu uma seleção favorita que, na sua visão, terá grande facilidade. "O grupo da Espanha é muito fácil", analisou. Os espanhóis vão enfrentar Suíça, Honduras e Chile. É o Grupo H, de onde sairão os adversários das seleções do G, do Brasil, nas oitavas de final.

CONCENTRAÇÃO

O Brasil deve ficar em Johannesburgo ou em Pretória durante a Copa. O local da concentração vai ser definido nos próximos dias, mas o fato de a seleção poder realizar até quatro partidas (as duas primeiras; a de oitavas de final, se ficar em 1º no grupo; e a decisão, se chegar até lá) torna a região favorita a receber os brasileiros.

Johannesburgo tem a seu favor também o fato de estar a cerca de 1.800 metros acima do nível do mar. "E a altitude é algo que se tem de levar em conta, como todos sabem", disse Rodrigo Paiva, diretor de comunicações da CBF. Pretória, onde também ficará a Argentina, é próxima de Johannesburgo e sua prefeita, Gwen Ramokeopa, já fez até lobby com o governo brasileiro para tentar levar a seleção para a cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.