Efeito manada motiva massas

Entrevista

, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

João Figueiró

Psicoterapeuta

O chamado efeito manada é a explicação que o médico e psicoterapeuta João Augusto Figueiró, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), dá para situações de violência como a ocorrida na Uniban.

O que motiva as pessoas a participar dessas manifestações?

Nos estudos sobre psicologia das massas temos a resposta. É o que chamamos de efeito manada, em que pessoas consideradas normais recebem certas informações e passam a atuar em bando, como uma manada. É como as torcidas de futebol, um fenômeno grupal.

Como ocorre o efeito manada?

Dentro da massa, os indivíduos deixam de lado a moral e a ética, que freiam a impulsividade. As circunstâncias fazem com que ele renuncie aos seus valores e embarque na proposta coletiva de um líder - e essa proposta circula rapidamente dentro do grupo. É um caso de violência instrumentalizada. Foi assim que Hitler convenceu os alemães sobre suas ideias contra os judeus. Da mesma forma, George W. Bush convenceu uma nação inteira de que o mal do mundo estava no Afeganistão e no Iraque.

Como explicar que isso aconteça dentro da universidade?

Hoje, a escola não transmite valores. Só conteúdos. Além disso, as relações escolares fomentam a cultura de guerra em que vivemos, com valores de competição, rivalidade e supremacia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.