'Ele não andava nem comia mais'

Foi tudo inesperado. Até os 27 anos, o Matheus era uma pessoa normal, sadia. Ele trabalhava pesado, carregava e descarregava caminhão.

O Estado de S.Paulo

12 Março 2012 | 03h02

Até que começou a acordar com falta de ar. Um dia ele chegou à minha casa todo roxo, sem conseguir respirar direito. Achei que fosse coração. Falei para ele ir ao cardiologista.

Quando foi, (o médico) já internou e apareceu essa doença, a fibrose pulmonar, que ninguém sabe de onde veio.

Foram dois anos de exames até ele entrar para a fila do transplante. O estado de saúde dele foi piorando a cada dia, e os médicos tinham de deixá-lo mais tempo ligado ao aparelho de oxigênio.

Ele não andava mais. Quando começava a comer, tinha de parar. Mas ele nunca se entregou, sempre lutou pela vida.

Quando foi chamado para assinar o papel para receber o pulmão recondicionado, ainda perguntei se era isso mesmo que ele queria. Meu filho, então, me respondeu: "É tudo ou nada". / C.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.