Divulgação
Divulgação

Ele resgatou o chá do Ceilão

Aos 82 anos, Merril J. Fernando, fundador e dono da Dilmah Tea, tem cara de sábio. É uma figura imponente, de gestos comedidos e a paciência infinita de quem já viu e ouviu muito na vida. Mas que ninguém se engane pela aparente tranquilidade: ele está no comando, como se nota claramente pelas ordens discretas dadas a todo mundo. Fernando é o homem que salvou o chá do Ceilão da vala comum - transformou o chá banal em produto de desejo.

Luiz Horta, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2013 | 02h23

Ele esteve no Brasil na semana passada, para divulgar seus chás que agora passam a ser importados pela Casa Flora (11 2842-5199) e tivemos um encontro rápido em um chá no Hotel Emiliano. Ele contou sua história, que se mistura com a do chá do seu país, um dos melhores do mundo, embora menosprezado por colonizadores e esmagado pelos vizinhos poderosos, que conseguiram o nome mais reputado - a Índia.

O país foi colonizado desde 1510, primeiro pelos portugueses ("por isso meu sobrenome"), depois, espanhóis, indianos, franceses e os ingleses. Foi sob o longo período britânico que o chá prosperou, mas vendido a granel e misturado a outros chás para baratear o produto. O chá cingalês não chegava como devia aos bules europeus. "Duas toneladas de chá a granel se transformavam em cinco na Inglaterra, o que sumia com a qualidade do nosso chá e maculava o nome do país", explicou.

O Ceilão ficou independente após a 2.ª Guerra e virou Sri Lanka. Mr. Fernando, degustador profissional e selecionador de chás para compradores internacionais, decidiu que o chá local merecia ser tratado com cuidado e passou a usar sua expertise para vender o próprio chá. Assim, mostrou que a Camellia sinensis no Sri Lanka pode ser tão boa quanto a dos terrenos mais valorizados do mundo.

Na apresentação, provocou o Brasil: "Vocês têm o melhor café e são os maiores produtores, por que não há um marca que represente o café brasileiro?".

Como sou do vinho, explicou fazendo analogias com as castas de uvas: "Nos vales mais altos e frios está meu silver tip Imboolpitiy (um tipo de chá prateado caríssimo, feito da ponta das primeiras folhas inteiras brotadas, de uma só origem, algo como um Grand Cru). É como se fosse meu Chardonnay". Foi pedagógico. Ele se deliciou explicando: "Chá tem terroir, taninos, sazonalidade, pode até ser safrado, e alguns envelhecem muito bem".

Para melhorar a compreensão sobre a bebida e suas possibilidades na gastronomia, fundou com Paul Bocuse as Écoles du Thé em 2009. Uma delas fica no Sri Lanka e trabalha com sommeliers e especialistas; a outra em Lyon, dentro do Institut Bocuse, focada no uso gastronômico dos chás.

Provei o ótimo Earl Grey, gostei muito do English Breakfast (R$ 10,59 a caixa de cada um, com 25 sachês; os outros chás ainda não são importados pela Casa Flora) e de um delicado blend, com mistura de laranjas e bergamota, chamado Mediterranean Mandarin. Mas o mais delicioso, para quem gosta de chá sem interferências, nem leite, nem açúcar, foi o Ceylon Young Hyson, bem concentrado e laranja-escuro, pelas folhas quebradas, profundo, com taninos macios, muito equilibrado. Apesar de forte, tenho bebido litros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.