Eleições começam com atraso na Argentina

Mesários convocados não compareceram para trabalhar na votação deste domingo.

Marcia Carmo, BBC

28 de outubro de 2007 | 17h30

A eleição presidencial da Argentina começou com atraso neste domingo em vários pontos do país por falta de mesários. Muitos dos que foram convocados, não compareceram, mesmo sob a ameaça de serem presos como manda o código eleitoral. Segundo o diretor do Comitê Nacional Eleitoral, Alejandro Tulio, pelo menos 700 voluntários compareceram para ocupar as vagas de mesários na capital federal, onde a situação foi mais crítica, e a votação se normalizou cerca de duas horas depois de aberta.Tulio disse ainda que ocorreram incidentes isolados até o início da tarde, hora local. Um homem foi preso na localidade de Adrogue, na província de Buenos Aires, tentando votar duas vezes. O diretor do Comitê Nacional Eleitoral mostrou-se preocupado com o ritmo da votação e em entrevista a diferentes emissoras de rádio e de televisão lembrou aos eleitores que os portões dos locais de votação serão fechados às 18h em ponto (19h em Brasília). "Até agora votaram 30% do total de eleitores", disse ele, três horas antes do fim do pleito. Sua preocupação é que o atraso na votação - que provocou algumas filas em alguns pontos do país - retarde a apuração oficial. Os candidatos da oposição Elisa Carrió, da Coalizão Cívica, Ricardo Lopez Murphy, da coligação Recrear-PRO, e Alberto Rodríguez Saá, da Frente Justiça, União e Liberdade, reclamaram de ter demorado a encontrar cédulas com seus nomes na hora de votar, mas Tulio afirmou que a distribuição das cédulas "não é responsabilidade da Justiça Eleitoral mas sim dos partidos, que devem distribui-las".Na Argentina, ao entrar na cabine eleitoral, o eleitor encontra diversas pilhas com cédulas dos candidatos de diferentes partidos para votar. Eleitores de diferentes pontos do país, como Buenos Aires e Mendoza, também reclamaram da falta de cédulas de seus candidatos em ligações para as principais emissoras de rádio do país, como Diez, Mitre e America. Para os candidatos da oposição, como Lopez Murphy, Elisa Carrió e Roberto Lavagna, do UNA (Uma Nação Avançada) o voto eletrônico é a melhor alternativa para garantir a transparência da votação e a agilidade da apuração. Na hora de votar, em Rio Gallegos, na província de Santa Cruz, na Patagônia, a primeira-dama e senadora, Cristina Fernández de Kirchner, líder nas pesquisas de opinião, ressaltou a importância da democracia. "É muito importante que cada cidadão argentino possa decididir em que modelo quer viver. Eu sou de uma geração que não podia votar, por isso hoje é um dia muito importante", disse Cristina diante das câmeras de televisão. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.