Eleito presidente do Senado novamente, Renan promete empenho pessoal por reforma política

Eleito mais uma vez presidente do Senado Federal e do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL) prometeu dedicação pessoal pela reforma política e agradeceu o apoio de seu partido, garantindo que a sigla trabalhará pela estabilidade econômica do país.

REUTERS

01 Fevereiro 2015 | 19h11

“Há muito a fazer, outros temas de considerável magnitude sobre os quais temos responsabilidades nos são cobrados. Refiro-me novamente à reforma política, pela qual me empenharei pessoalmente”, disse o senador alagoano após a proclamação do resultado da eleição da presidência.

Eleito pela quarta vez à presidência da Casa por 49 votos a 31, Renan defendeu que seu partido atua pelo equilíbrio de poder.

“O PMDB, que garante a estabilidade, também trabalhará pela estabilidade econômica. Como fiador do modelo democrático, o partido atua pelo equilíbrio de poder e repele qualquer pendor hegemônico onde quer que ele esteja camuflado.”

Ao dirigir-se a Luiz Henrique (PMDB-SC), candidato que o enfrentou na eleição deste domingo, Renan afirmou ainda que a disputa “é passado” e que “engrandeceu” a instituição.

No discurso antes da votação, em que pedia o voto dos colegas, Renan defendeu a criação de uma agenda com metas e prazos e disse ser “inadiável” a discussão de uma reforma tributária.

O senador retomou ainda o compromisso de conduzir a presidência do Legislativo de maneira “coletiva” com ênfase na transparência da tomada de decisões e de gastos de recursos públicos.

Renan foi o nome oficialmente indicado por sua bancada para concorrer ao posto, seguindo tradição do Senado, segundo a qual a maior bancada lança um nome a ser chancelado pelo plenário. O alagoano já fora eleito para o cargo em 2005, 2007 e 2013.

Luiz Henrique concorreu em candidatura avulsa, com o apoio de partidos da oposição e de alguns integrantes da base com postura mais independente.

(Por Maria Carolina Marcello)

Mais conteúdo sobre:
POLITICADISCURSOSARNEY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.