Eles criaram na internet o 'telejornal inclusivo'

Telelibras traz o olhar dos deficientes

16 Junho 2008 | 00h00

Um telejornal inclusivo. É essa a proposta do programa Telelibras, da ONG Vez da Voz, veiculado na web há mais de um ano e que já tem mais de cem vídeos. Exibido no endereço www.vezdavoz.com.br/telelibras, o noticiário é realizado por uma equipe de profissionais de São Paulo, Campinas e Brasília. Além dos apresentadores que ficam no estúdio, "repórteres especiais" fazem as reportagens externas: um rapaz surdo e outro cego, um cadeirante, um garoto com Síndrome de Down e uma jovem com baixa visão (5% do total), a cantora Sara Bentes. Dentro ou fora do estúdio, os repórteres sempre têm ao seu lado um instrutor e intérprete de Libras, a Língua Brasileira de Sinais. "Aquela coisa da TV de colocar o tradutor de Libras em uma janela pequena dentro da tela diminui o deficiente", provoca a fonoaudióloga Cláudia Cotez, presidente da Viva Voz. Segundo ela, o telejornal foi criado "para criar um meio de comunicação que seja mais humano". "A pessoa com deficiência fica muito tempo na internet, que é um meio acessível para eles se informarem", explica. Os apresentadores e repórteres foram treinados para fazer o chamado "texto inclusivo". Eles dão a notícia de um jeito simples e didático, que visa facilitar a compreensão de cegos e surdos. "Muitos deficientes não compreendem as notícias dos telejornais das emissoras abertas, que não são preparados para eles. Um surdo de Fortaleza me pediu outro dia para explicarmos para ele o caso Isabella", comenta Cláudia. G.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.