Eles não são do G9. Mas dão brilho ao evento

O público

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2011 | 01h48

Mirea Rosa nasceu eu Lima, mas mora nos EUA. Fez coincidir a visita anual ao país com o Mistura. Na sexta, dia 9, numa fila com centenas de pessoas, ela aguardava a sua vez de comprar ingresso. "Já viemos no ano passado, comer e ver as novidades da gastronomia", disse, acompanhada por duas amigas. Depois de 20 minutos de espera, elas pegaram seus bilhetes e foram de ônibus para o Parque de Exposições.

O preservador

Oscar Pinera Taminchi, líder de produtores na Amazônia peruana, foi um dos ganhadores neste ano do prêmio Rocoto de Oro, a grande honraria do Mistura e concedida a profissionais de destaque na agricultura e na gastronomia, Organizando o manejo sustentável de produtos como o sachamango (Grias neuberthii), Pinera diz que já evitou o desaparecimento de mais de 30 frutas em Ucayali, onde vive. Ele vende seus produtos a vários chefs.

O articulador

Moisés Quispe é o diretor da Associación Nacional de Productores Ecológicos del Peru. Sua função é promover a integração dos pequenos agricultores com o mercado, organizando as várias etapas do plantio; difundindo os métodos de cultura ecológica; orientando sobre a colheita e manipulação dos produtos; articulando canais para a venda da produção. Moisés Quispe viaja constantemente pelo país e sua associação congrega 12 mil famílias.

O agricultor

Victoriano Fernández Morales cultiva batatas e frutas em seu sítio de 4 hectares no distrito de Kichiki, a 3 mil metros de altitude, na região de Huánuco, centro do Peru. Ele aprendeu a lidar com a terra conforme as tradições da família e vem incorporando outras práticas em seu trabalho. Conta com orgulho que a filha estuda agronomia. Ele produz 470 variedades de batatas e vende parte desse lote para o chef Gastón Acurio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.