Em Aparecida, bispo critica falta de apoio federal

A missa solene no Santuário Nacional de Aparecida reuniu mais de 30 mil pessoas e terminou com a igreja criticando a falta de apoio da Polícia Rodoviária Federal na segurança de fiéis. Somente em 2014 o templo deve receber mais de 12 milhões pessoas.

GERSON MONTEIRO, ESPECIAL PARA A AE, Estadão Conteúdo

12 de outubro de 2014 | 19h41

Antes de encerrar a celebração, o bispo dom Darci Nicioli criticou a falta de apoio da Polícia Rodoviária Federal durante a festa. Segundo ele, não faltaram pedidos ao comando da polícia. A avenida do entorno do Santuário Nacional é a BR 488, sob responsabilidade do governo federal.

O bispo, que participou de uma coletiva com a imprensa, fez o pedido público ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) para que assuma a gestão do trecho. Alckmin disse que vai pedir ao governo federal um convênio no qual a Polícia Rodoviária Estadual assumirá a segurança do acesso.

Participaram da missa políticos tucanos eleitos, como o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, José Serra pelo Senado e o deputado federal Samuel Moreira, líder da bancada na Câmara dos Deputados. O candidato à Presidência Aécio Neves, anunciado para participar da celebração chegou atrasado e não tomou parte da festa. O cantor Agnaldo Rayol abriu a celebração cantando a música "Ave Maria" e emocionou o público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.