Em crise, Japan Airlines pode pedir concordata

Um fundo de recuperação financiado pelo governo pode decidir por uma concordata para a Japan Airlines como parte de sua reestruturação, segundo duas fontes próximas ao caso. Em outubro, a JAL pediu ajuda à Enterprise Turnaround Initiative Corp of Japan (Etic), fundo criado este ano para ajudar na recuperação de empresas financiadas com empréstimos governamentais. O fundo pode decidir já no mês que vem se irá ou não apoiar a empresa aérea.

REUTERS, TÓQUIO, O Estadao de S.Paulo

29 Dezembro 2009 | 00h00

O Etic discutiu com credores da JAL a possibilidade de um pedido de proteção judicial, junto com empréstimos e investimentos, mas não descarta um processo de reestruturação não-judicial, segundo as fontes.

Mas autoridades do governo japonês estão preocupados com os problemas que a concordata causaria no setor aéreo. A JAL é a maior empresa aérea da Ásia em receita, e responde por mais da metade do tráfego aéreo do Japão.

Uma concordata também poderia complicar as negociações com American Airlines e Delta Air Lines, que fizeram ofertas rivais para ganhar acesso à rede da empresa na Ásia e se aproximar de suas rotas EUA-Japão. A JAL tinha, no final de setembro, uma dívida de 1,5 trilhões de ienes (US$ 16,9 bilhões). A concordata seria a sexta maior na história do Japão.

"Caso permitam que a JAL entre com pedido de proteção judicial do jeito que está agora, isso poderia provocar uma enorme confusão social", disse uma das fontes. ''Haveria um alvoroço sobre milhas, aviões sem decolar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.