Em cúpula, Uribe 'deve apresentar provas que ligam vizinhos às Farc'

Líder colombiano deve levar à cúpula provas que Farc atuam no Equador e na Venezuela.

Da BBC Brasil, BBC

07 de março de 2008 | 10h25

O presidente colombiano, Álvaro Uribe, chegou à Cúpula do Grupo do Rio, na República Dominicana, munido de uma vasta documentação que provaria a presença das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em territórios colombiano e equatoriano, segundo afirma reportagem publicada nesta sexta-feira pelo jornal colombiano El Tiempo.Segundo o jornal, o principal do país, a documentação incluiria vídeos da guerrilha agindo nos países vizinhos à Colômbia, assim como partes de "discursos belicosos" feitos pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, contra vários países durante seus nove anos de mandato. O El Tiempo ainda especula que Uribe tem um outro "ás por baixo da manga" para "dar o troco" à Nicarágua, o mais novo ator da crise diplomática que se estabeleceu na região. Segundo o jornal, o líder colombiano deve lembrar aos participantes da cúpula que, há 20 anos, a Nicarágua deflagrou, em Honduras, a "Operação Danto 88" para atacar forças guerrilheiras do movimento Resistencia Nicaragüense, operantes no país vizinho. Na quinta-feira, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, que comandava o país na época da incursão, anunciou o rompimento das relações diplomáticas com a Colômbia. O anúncio foi feito após um encontro com o presidente do Equador, Rafael Correa, que fez um giro por alguns países latino-americanos, entre eles o Brasil, para explicar sua posição acerca da crise diplomática com a Colômbia.ConsensoA reunião desta sexta-feira será a primeira vez em que os presidentes dos países envolvidos no impasse, Colômbia, Equador e Venezuela, se encontrarão desde que a crise foi deflagrada.No último sábado, tropas colombianas bombardearam um acampamento de rebeldes das Farc dentro do território equatoriano. A incursão terminou com a morte de 17 guerrilheiros, entre eles o número 2 das Farc, Raúl Reyes, e deflagrou uma crise diplomática entre Colômbia e Equador. Chávez declarou seu apoio a Correa e enviou tropas para a fronteira com Colômbia.A expectativa é de que o encontro entre os três líderes sirva para que eles cheguem a um consenso para pôr fim à crise, que continua mesmo depois da aprovação de uma resolução da Organização dos Estados Americanos (OEA), que reconheceu a "violação da soberania do território equatoriano". Correa insiste, no entanto, em uma "condenação internacional" contra a Colômbia. Do contrário, ameaçou "responder ao agressor por seu ultraje".A cúpula do Grupo do Rio reúne em Santo Domingo, na capital dominicana, representantes de 14 países que formam o grupo. O Brasil estará representado pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. O presidente Lula está no Rio de Janeiro, onde visita três favelas da cidade para o lançamento do início de obras do Programa para Aceleração do Crescimento (PAC). BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.