Em discurso de Natal, papa pede paz na Terra Santa

O papa Bento 16 disse na quinta-feira que espera que o Natal traga a esperança para aqueles que sofrem com a guerra, o terrorismo, a injustiça e a pobreza e fez um apelo pela paz na Terra Santa. Em sua mensagem de Natal, "Urbi et Orbi" (dirigida à cidade e ao mundo), o papa também se voltou a quem tem medo do futuro --incluindo as nações mais ricas do mundo, que foram atingidas pela crise financeira global. "Em cada um desses lugares, que a luz do Natal possa brilhar e encorajar todas essas pessoas a participar do espírito de solidariedade autêntica", disse o papa, na sacada central da basílica de São Pedro, diante de dezenas de milhares de pessoas. "Se as pessoas só considerarem seus próprios interesses, nosso mundo certamente desmoronará". Bento 16 deve visitar a Terra Santa em 2009, com possíveis paradas em Israel e territórios palestinos. Ele espera que a região --palco de episódios violentos neste mês, depois do fim da trégua entre Israel e facções palestinas lideradas pelo Hamas-- possa voltar ao caminho da paz. "Que a luz divina de Belém seja irradiada para a Terra Santa, onde o horizonte mais uma vez parece triste para israelenses e palestinos", disse o papa, condenando "a lógica torta do conflito e da violência". Em seu quarto natal no papado, Bento 16 também demonstrou preocupação com o Zimbábue, onde mais de 1.100 pessoas morreram numa epidemia de cólera e a hiperinflação faz os produtos dobrarem de preço a cada dia. Para ele, o povo do Zimbábue está "há muito tempo preso em uma crise social e política que, infelizmente, continua a piorar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.