Em emergência, cirurgião opera cérebros de dois pacientes simultaneamente

Fazer as duas cirurgias ao mesmo tempo era a melhor solução para salvar vidas de dois meninos com fraturas no crânio, diz médico.

BBC Brasil, BBC

22 Março 2012 | 13h09

Um cirurgião fez duas operações simultâneas de emergência nos cérebros de pacientes em um hospital no condado de Yorkshire, no norte da Inglaterra.

O médico Saurabh Sinha, do Children's Hospital, em Sheffield, operou o menino Owen Wilkinson, de oito anos, e um adolescente de 12 anos.

Owen, transferido às pressas de um hospital na vizinhança - Barnsley Hospital -, apresentava o mesmo tipo de fratura no crânio sofrida pelo outro paciente, cuja cirurgia estava prestes a começar.

"As pessoas largaram tudo o que estavam fazendo para salvar as vidas dessas crianças", disse Sinha.

"Em um caso de emergência, você lida com o paciente que está ali na sua frente", acrescentou o médico.

Nesse caso, havia dois.

Sinha disse que operar os dois meninos ao mesmo tempo era a melhor forma de assegurar que ele e sua equipe salvassem as vidas de ambos.

Coincidências

A mãe de Owen, Caroline Wilkinson, disse que a equipe do hospital merecia um "super obrigado". Sem eles, Owen "não estaria aqui hoje", ela acrescentou.

Caroline e seu marido não perceberam que as operações estavam sendo feitas simultaneamente até encontrarem, por acaso, no hospital, os pais do outro paciente - que desejam permanecer anônimos.

Ela disse: "Começamos a conversar com o outro casal e percebemos que os dois meninos tinham o mesmo ferimento".

Os pais dos garotos se deram conta, também, de que seus times tinham jogado um contra o outro em partidas de futebol na região.

"Ainda estou em contato com a mãe do outro menino e esperamos levar os dois para passear juntos um dia desses", disse Caroline.

Desde a cirurgia, a família de Owen vem arrecadando dinheiro para o hospital, que realiza cerca de 11 mil cirurgias por ano. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.