Em estado de emergência, Itacarambi pode ter novos abalos

Técnicos da UnB avaliam causas do terremoto que deixou menina de 5 anos morta e seis pessoas feridas

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

10 Dezembro 2007 | 10h56

O prefeito de Itacarambi declarou estado de emergência no distrito de Caraíbas, a 35 km do centro do município, depois que o terremoto que atingiu a cidade deixou uma criança morta, seis feridos e cerca de 300 pessoas desabrigadas. O estado de emergência foi declaro na manhã desta segunda-feira, 10, quando o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, é esperado no local. Técnicos do Departamento de Sismologia da Universidade de Brasília (UnB) avaliam a partir desta segunda o que teria provocado o terremoto. Eles não descartam a possibilidade de novos abalos.   Aécio vai à cidade onde terremoto deixou 1 morto e 6 feridos Terremoto está entre os 15 maiores já registrados no País Festa em povoado vizinho evitou mortes  'Foi um estrondo, como um trovão', diz moradora de cidade atingida por tremor Veja mais fotos da destruição na cidade    O tremor em Minas e outros terremotos no País    Aécio autorizou a reconstrução de todas as casas que tiveram problemas em função do tremor. Segundo o governo de Minas, a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG) fornecerá o apoio necessário à prefeitura da cidade. Cestas básicas, colchões e cobertores foram enviados aos desabrigados.   De acordo com a Defesa Civil de Minas, seis casas foram destruídas e 76 casas e aproximadamente 300 pessoas desabrigadas. Das famílias atingidas, 35 foram alojadas na Creche Najila Nemer, em Itacarambi. As demais foram levadas para casas de parentes na localidade de Várzea Grande, a 8 km de Caraíbas.   Jessiane Oliveira da Silva, de 5 anos, estava dormindo quando o muro da casa onde ela estava desabou. A irmã gêmea dela, Jessielen Oliveira da Silva, sofreu traumatismo craniano. O irmão delas, de 8 anos, sofreu traumatismo craniano leve. Outras três pessoas também tiveram ferimentos leves devido aos estragos causados pelo terremoto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.