Em Istambul, a majestosa romã

Janaina Fidalgo,

24 de junho de 2010 | 11h00

Boza. Levemente doce, a bebida fermentada de trigo tem textura de mingau e é a estrela do Vefa Bozacisi, em Istambul

 

 

Ao desembarcar em Sultanahmet, bairro de Istambul, você olha de um lado e fica extasiado com a beleza e a grandiosidade da Mesquita Azul e da Aya Sofya. No instante seguinte, olha do outro lado e se depara com a beleza e a grandiosidade... da romã.

 

Fica com a impressão de que aquilo que a vida inteira você se acostumou a chamar de romã devia ser outra coisa qualquer, alguma imitação menor de nar - romã em turco. As de lá têm cor (vermelho intenso), tamanho (são enormes) e sabor (doce, mas tão ácidas que chegam a picar a língua). Onde houver uma casa de kebab, lá estarão as nars, prensadas na hora.

 

E, ao parar para tomar um suco de nar, aproveite e coma um autêntico pide (pronuncia-se pidê), umas barquinhas compridas, com massa que lembram a de esfiha, recheadas com carne picada - a melhor é a de carneiro.

 

Alguns passos acima da estação do tram (o principal meio de transporte), ainda em Sultanahmet, fica o Ali Usta - e suas irresistíveis baklavas. Ficar hospedado nas redondezas pode ser um perigo, porque inevitavelmente você se sentirá na obrigação de experimentar todos os doces da casa. E nunca sem ter ao lado um çay (lê-se tchái), o onipresente chá turco, servido em copinhos.

 

Quando enjoar de tanto pistache e nozes, prove um su böregi: uma sobreposição de camadas finíssimas de massa (quase como a de lasanha) com queijo no meio. O sabor é mil vezes melhor do que parece. Todo café tem.

 

À noite, vá a Beyoglu, um animado bairro de Istambul. É o melhor lugar para conhecer a tradição local dos meyhanes: bares em que, além de bebida (quase sempre raki diluído em água), bandejas com quase um metro de diâmetro trazem à mesa todas as opções de mezzes para você escolher. No Krependeki Imroz, um dos meyhanes da Nevizade Sokak, há de homus a miolo de cordeiro. O único senão é o assédio de funcionários, que ficam na porta insistindo para você escolher aquele e não outro meyhane.

 

Isso jamais acontecerá no Vefa Bozacisi, um refúgio em Istambul. É daqueles lugares em que você tem vontade de passar a tarde inteira tomando boza. O nome é estranho e lembra a marca de espuma de barba. Mas a bebida fermentada de trigo é bem interessante. (Apesar de ser de trigo e fermentada, não lembra cerveja.) Tem consistência de mingau, é levemente adocicada e servida com canela polvilhada. Como não dá para levar boza para casa, carregue ao menos um vidro do molho de romã.

 

 

NÃO PERCA!

 

As baklavas de pistache

Do Ali Usta - 00/xx/90/212/511-9895

 

Os mezzes

Do Krependeki Imroz - 00/xx/90/212/249-9073

 

A boza

Do Vefa Bozacisi - 00/xx/90/212/519-4922

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.