Em meio a comoção por maus-tratos, Austrália veta venda de gado à Indonésia

Documentário mostrou gado australiano sendo submetido a maus-tratos 'chocantes' em abatedouros do país vizinho.

Nick Bryant, BBC

07 Junho 2011 | 23h33

O governo australiano suspendeu nesta quarta-feira (noite de terça no horário de Brasília) todas as exportações de gado vivo à Indonésia, até que este país adote medidas para impedir a morte brutal dos animais.

A medida é consequência da forte repercussão obtida por um documentário da TV australiana, que denunciava maus-tratos sofridos por animais em estabelecimentos indonésios.

As imagens, transmitidas pela rede de televisão australiana ABC, mostravam animais sendo açoitados, chutados e cortados com facas. Jogados ao chão, eles demoravam vários minutos para morrer após terem sido degolados.

Na semana passada, a Austrália já havia suspendido o fornecimento de gado a abatedouros denunciados pelo programa de TV. Mas, nesta quarta, decidiu pelo veto total às exportações para a Indonésia.

Vendas de carnes

A opinião pública vinha pressionando pela medida, após a exibição do documentário.

Muitos australianos assinaram petições online pedido a suspensão do comércio com a Indonésia e exigindo ações dos parlamentares.

Açougues relataram que as vendas de carne caíram 15% por conta da comoção provocada pelo programa.

Nesta terça, o governo australiano já dera indicativos de que suspenderia o comércio com os indonésios: um carregamento de 2 mil cabeças de gado foi impedido de embarcar em um navio que tinha a Indonésia como destino.

A Austrália exporta mais de 700 mil cabeças de gado por ano, e a Indonésia é seu maior comprador.

Produtores rurais australianos advertiram que o veto imposto nesta quarta deve destruir o ganha-pão de muitos criadores de gado no país. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.