Em meio a tensão, candidato pró-China 'vence eleições em Taiwan'

Resultado não-oficial dá vitória ao candidato do partido nacionalista.

Da BBC Brasil, BBC

22 de março de 2008 | 08h50

O candidato do partido nacionalista Kuomitang (KMT) à presidência de Taiwan, Ma Ying-jeou foi o vencedor das eleições presidenciais, segundo um anúncio feito na televisão estatal neste sábado. De acordo com as apurações transmitidas pela rede estatal, Ying-jeou teria vencido o rival do partido do governo, Frank Hsieh, com vantagem de 17 pontos percentuais. Esta foi a quarta eleição presidencial de Taiwan, a primeira foi realizada em 1996. Durante a campanha, ambos apoiavam um estreitamento nas relações com a China, embora tivessem opiniões diferentes sobre o ritmo e o nível da mudança. A economia, no entanto, foi a questão central durante toda a campanha eleitoral e está relacionada às políticas de Taiwan com a China. Além da eleição presidencial, os taiwaneses votam ainda em dois referendos para decidir ser a ilha deve pleitear uma cadeira própria na ONU. ChinaA China considera Taiwan uma província renegada. O partido Democrático Progressivo, DPP, é favorável à independência taiwanesa, enquanto os membros do Kuomitang apóiam uma relação mais próxima com o governo chinês. Para muitos taiwaneses, a aproximação com Pequim poderia ajudar a restabelecer a economia em queda. Durante a campanha, Ying-jeou afirmou que, caso fosse eleito, pretendia agir com rapidez e introduzir vôos diretos para o continente, aliviar as restrições aos investimentos na China, além de incentivar a criação de um "mercado comum".Ying-jeou também propôs um acordo para um tratado forma de paz com os chineses. O rival, Hsieh, tinha uma postura mais moderada e, apesar de prometer o diálogo com o governo chinês, defendia a soberania de Taiwan. TibeteAs tensões recentes no Tibete viraram um tema forte na campanha eleitoral em Taiwan e ambos os candidatos discursaram contra a postura de Pequim. O início desta semana, Ying-jeou sugeriu um possível boicote aos Jogos Olímpicos de Pequim caso a situação piorasse. Na sexta-feira, no entanto, ele afirmou que "não levaria o assunto ao extremo". Já o candidato do DPP afirmava que ele seria o "melhor defensor da soberania de Taiwan" e disse que o rival poderia transformar a ilha em um "segundo Tibete".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.