Em MG, caminhoneiros interditam 4 rodovias federais

Depois de duas semanas de interdições de estradas por manifestantes, principalmente da região metropolitana de Belo Horizonte, cobrando melhorias nos serviços públicos, nesta segunda-feira, 1, foi a vez de caminhoneiros promoverem protestos em algumas das principais rodovias de Minas Gerais. Em alguns pontos, a manifestação começou ainda de madrugada e, apesar de o tráfego de carros de passeio e ônibus ter sido liberado, as estradas tiveram longas filas de congestionamento. Na maioria dos protestos, caminhões ocuparam as estradas e apenas uma pista ficou livre para os demais veículos.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

01 de julho de 2013 | 15h57

A rodovia mais afetada foi a BR-381, tanto no trecho que liga Minas Gerais a São Paulo quanto na parte entre Belo Horizonte e o Espírito Santo. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), em pelo menos cinco pontos da estrada foram feitos protestos, com interdição da passagem de caminhões em ambos os sentidos. As exceções eram os veículos com cargas perecíveis ou perigosas.

No quilômetro 513, em Igarapé, na região metropolitana da capital, a manifestação teve início à 0h25, de acordo com a PRF, e, no início desta tarde, a fila de caminhões parados ultrapassava cinco quilômetros de extensão nos dois sentidos. A situação ficou ainda mais complicada na região quando cerca de 200 manifestantes interditaram a rodovia na altura de Betim, também na Grande BH, em protesto contra "problemas sociais".

Além da região metropolitana, caminhoneiros também bloquearam pistas da BR-381 no quilômetro 589, em Carmópolis de Minas, na região oeste do Estado; no quilômetro 295, em Antônio Dias, no Vale do Rio Doce; e nos quilômetros 359, em João Monlevade, e 365, em São Gonçalo do Rio Abaixo, ambas na microrregião de Itabira, entre a capital mineira e o Espírito Santo. Ainda segundo a PRF, em todos estes pontos a interdição ocorreu apenas para veículos de carga.

Já no quilômetro 564 da BR-040, na altura de Nova Lima, também na região metropolitana de Belo Horizonte, o trânsito no sentido Rio de Janeiro foi totalmente fechado pelos manifestantes. O protesto no local teve início pouco após as 9h, provocando grande congestionamento. Caminhoneiros também ocuparam parte da BR-040 no quilômetro 603, em Congonhas, no Campo das Vertentes, e no quilômetro 807, na altura de Matias Barbosa, na Zona da Mata mineira. Nestes dois pontos novamente apenas os veículos de carga foram impedidos de passar.

Ainda na Zona da Mata, o tráfego também foi totalmente interditado no quilômetro 50 da BR-262, próximo a Manhuaçu, onde cafeicultores interditaram a pista nos dois sentidos em protesto por melhores preços do produto. Ainda nesta tarde, a PRF negociava com os manifestantes para tentar liberar parte do tráfego no trevo da rodovia com a BR-116. Nesta última, caminhoneiros bloquearam os dois sentidos da via também no quilômetro 406 da BR-116, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, e policiais tentavam convencer os manifestantes a liberar o trânsito de carros de passeio e ônibus.

Os protestos são organizado pelo Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), que reivindica subsídio para redução no preço do óleo diesel, isenção nos postos de pedágio do todo o País para a categoria, a aprovação e entrada em vigor de projeto que aprimora a chamada Lei do Motorista e a criação pelo governo federal de uma secretaria de transporte rodoviário de cargas. A manifestação está programada para durar até a próxima quinta-feira, 4.

Mais conteúdo sobre:
protestosMGrodovias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.