Em plena crise, Sothebys aposta em imóvel de luxo no Brasil

Em meio a uma crise global que teve na gênese o estouro de uma bolha imobiliária, o braço no setor da casa de leilões Sothebys está multiplicando sua aposta no mercado de imóveis de luxo no Brasil

ALUÍSIO ALVES, REUTERS

24 de março de 2009 | 15h19

"Temos uma visão bastante agressiva para o Brasil", disse a jornalistas o presidente global da Sothebys International Realty, Mike Good.

Na avaliação do executivo, a combinação de real desvalorizado com a maior demanda de clientes internacionais de alta renda que buscam diversificação geográfica de investimentos em imóveis torna o Brasil um dos quatro mercados mundiais mais importantes da companhia.

O objetivo é fazer parcerias com construtoras locais e oferecer para venda ou locação imóveis sofisticados. A carteira aqui já inclui desde apartamentos de 1,2 mil metros quadrados na capital paulista (pela bagatela de 12 milhões de reais), a mansões em praias desertas do litoral nordestino e no interior paulista com pista de pouso para jatos particulares, até fazendas no centro-oeste do país.

De acordo com Good, embora a crise tenha diminuído o número de clientes de alta renda disponíveis, o plano da Sothebys é tomar um espaço maior do mercado que está passando por uma desaceleração passageira.

"A torta diminuiu temporariamente, por isso vamos tomar um pedaço maior dela", disse ele à Reuters.

A companhia também aposta que a demanda por imóveis de luxo deve crescer à medida que o governo e bancos eliminem as restrições de empréstimo para imóveis de valores mais altos. Na véspera, a Sothebys firmou uma parceria com o Santander para financiar a compra desse tipo de bem que supere os 800 mil reais.

A confiança é tanta que o grupo -- que desembarcou em 2007 no país com um escritório em São Paulo -- quer aumentar ainda este mês para seis o número de representações no Brasil, incluindo a estreia no Rio de Janeiro, em Natal e em Campo Grande.

Preço, garantem os executivos, não é o principal item do negócio. "Nós valorizamos o que é único", resume Good.

Até o final do ano a companhia deve fazer 40 lançamentos de imóveis no pais, promete o diretor da Sothebys no Brasil, Fabio Rossi.

(Edição de Alberto Alerigi Jr.)

Mais conteúdo sobre:
EMPRESASIMOBILIARIOSOTHEBYS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.