Em protestos, ônibus e metrô param em Belo Horizonte

Ao contrário do que haviam prometido, os rodoviários cruzaram os braços e deixaram sem ônibus os passageiros que tentaram embarcar em algumas das principais estações de Belo Horizonte, na manhã desta quinta-feira, 11. Metroviários também aderiram ao Dia Nacional de Lutas, ato organizado por centrais sindicais. Há registros de protestos em ao menos seis Estados.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 11h29

Nas estações BHBus, a paralisação pegou os passageiros de surpresa, já que o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte (STTT-BH) havia afirmado que o serviço não seria interrompido. Desde o início da manhã, porém, os coletivos são impedidos de sair das estações Diamante, Barreiro e Venda Nova, por onde passam diariamente cerca de 240 mil pessoas. Na região central da capital mineira, parte das lojas ainda estava fechada nesta manhã.

A estação São Gabriel teve parte das linhas afetada pela paralisação, mas a BHTrans, responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo na cidade, informou que foi disponibilizada uma linha especial para levar os passageiros até a região central. Na estação Eldorado, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, há ônibus em circulação, mas sem a ligação à capital pelo metrô.

Em Belo Horizonte, desde o início da manhã há protestos em diversos pontos. A maior concentração é na Praça Sete de Setembro, no centro, onde pistas das avenidas Amazonas e Afonso Pena chegaram a ser fechadas no início do dia, gerando um clima de tensão entre manifestantes e policiais militares. A mesma avenida também foi fechada na Cidade Industrial, em Contagem, mas foi liberada no meio da manhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.