Em Roma, Dilma diz que mundo pede que sejam compreendidas opções diferenciadas

A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira, em Roma, que o mundo pede que "as opções diferenciadas" das pessoas sejam compreendidas, referindo-se ao pontificado do recém-eleito papa Francisco.

Reuters

18 de março de 2013 | 11h11

Dilma, que participa na terça da missa inaugural do argentino Jorge Mario Bergoglio, afirmou ainda que a iniciativa do papa de dar atenção aos pobres "é uma postura importante", segundo a Agência Brasil.

"É claro que o mundo pede hoje, além disso (da preocupação com os pobres), que as pessoas sejam compreendidas e que as opções diferenciadas das pessoas sejam compreendidas", disse Dilma.

A presidente, que desembarcou no domingo em Roma, ressaltou a importância de um primeiro papa da região. "Um papa latino-americano é uma honra para a América Latina", afirmou.

Dilma deve ter um encontro privado com o papa, eleito no dia 13, e deverá conversar sobre a Jornada Mundial da Juventude, que será realizada em julho no Rio de Janeiro.

No sábado, em uma audiência com jornalistas no Vaticano, o novo papa referiu-se à escolha do nome que escolheu, inspirado em São Francisco de Assis, por ser um santo que é símbolo de austeridade, paz e pobreza.

O pontífice referiu-se a Francisco como "o homem que nos dá esse espírito de paz, um homem pobre", e acrescentou, "como eu gostaria de uma Igreja pobre e para os pobres".

Desde a sua eleição na quarta-feira como o primeiro papa não europeu em quase 1.300 anos, Francisco deu sinais de uma grande mudança de estilo com relação a seu antecessor, Bento 16, e expôs um caminho moral nítido para os cerca de 1,2 bilhão de fiéis da Igreja que está sendo atingida por escândalos, intrigas e rixas.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMAVATICANO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.