Em Xangai, escolas ensinam todas as matérias em inglês

Há uma certa moda de estudar mandarim, dada a ascensão econômica da China, mas os chineses estão aprendendo inglês maciçamente. Apesar da enorme distância entre as duas línguas e do histórico isolamento da China, o país ficou dez posições acima do Brasil no ranking. A Education First normalmente não mantém escolas físicas, mas na China possui uma rede e o país representa uma de suas maiores operações no mundo.

O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2012 | 02h07

"Muito em breve o mundo falará inglês com sotaque chinês", brinca Luciano Timm, diretor de Marketing da EF. A empresa ensinou inglês para 25 mil pessoas que trabalhariam na Olimpíada de Pequim, em 2008, com vocabulários especializados para cada função, incluindo os árbitros de cada modalidade.

Em Xangai, o principal centro econômico da China, as escolas públicas ensinam todas as matérias em inglês. Em 2006, o valor de mercado das empresas dedicadas à educação em inglês na China era de US$ 131 milhões; neste ano, esse número alcança US$ 505 milhões. No mundo todo, 2 bilhões de pessoas estão aprendendo inglês, segundo o linguista britânico David Graddol.

À diferença de povos como os chineses, japoneses, árabes e russos, por exemplo, os brasileiros não precisam aprender um novo alfabeto para estudar inglês e há mais semelhanças de sons e mesmo de palavras. Além disso, assinala Vinícius Nobre, presidente do Braz-Tesol, os brasileiros têm uma natural facilidade de comunicação.

Mas isso não basta. Se nada for feito, os estrangeiros que pretendem vir para a Copa ou para a Olimpíada no Brasil precisarão aprender português./ L.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.