Embaixada dos EUA no Sudão autoriza retirada de funcionários

A embaixada dos EUA em Cartum autorizou a retirada voluntária de funcionários não-essenciais depois que a Corte Criminal Internacional assinou um mandado de prisão contra o presidente do Sudão por crimes de guerra, disse um funcionário da embaixada na terça-feira. "Este é um passo antes de ordenar a retirada de funcionários não-essenciais", disse a fonte à Reuters, sob a condição de anonimato por conta do tema delicado. A autoridade afirmou que a decisão era em parte uma medida diplomática em reação à expulsão e ao assédio do Sudão a grupos humanitários. A corte, com sede em Haia, assinou um mandado de prisão contra o presidente sudanês, Hassan al-Bashir, na semana passada, acusando-o de crimes de guerra durante os quase seis anos de conflito em Darfur, no turbulento oeste do país. Todas as embaixadas ocidentais apertaram a segurança após a decisão do tribunal, mas a autorização concedida pela embaixada norte-americana é a primeira medida diplomática concreta desde então. (Por Andrew Heavens)

REUTERS

10 de março de 2009 | 07h45

Tudo o que sabemos sobre:
SUDAOEMBAIXADAEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.