Embaixador do Brasil em Honduras segue hospitalizado

O embaixador do Brasil em Honduras,Brian Michael Fraser Neele, segue hospitalizado, sem risco devida, depois do acidente de avião que matou sua esposa duranteaterrissagem em Tegucigalpa, capital do país, na sexta-feira. "O embaixador está estável, consciente, mas sedado contrador e recebendo medicação para desinchaço das pernas", afirmoua vice-cônsul do Brasil, Francinete Melo, em entrevista portelefone. Segundo ela, o embaixador sofreu fraturas em ambas aspernas depois que o avião da companhia aérea Taca em que estavasaiu da pista do aeroporto de Tegucigalpa, durante aaterrissagem. Na sexta-feira à noite, um dos dois filhos do casal chegoua Tegucigalpa vindo de São Salvador, em El Salvador, informouMelo. A expectativa agora é pela chegada do segundo filho,quando deverá ser decidido como será feito o funeral daembaixatriz brasileira, Jeanne Chantal Neele. O representante brasileiro estava retornando da 3a Cúpulade Chefes de Estado e de Governo do Brasil e dos países doSistema para a Integração Centro-Americana, SICA, realizada emSão Salvador e que contou com participação do presidente LuizInácio Lula da Silva. Neele, 67, assumiu a representação brasileira em Hondurasem 4 de março, antes disso, ele era cônsul geral do Brasil emRoma, informou Melo. O acidente também matou Harry Brautigam, da Nicarágua, quechefiava o Banco Nacional de Integração da América Central. Segundo informações do chefe do serviço de emergêncialocal, cinco pessoas morreram no acidente, incluindo o piloto.A aeronave, que partiu-se em três no acidente, transportava 135pessoas e atingiu carros quando saiu em ziguezague em direção auma rodovia próxima. Tegucigalpa, que fica em meio a montanhas, é um dosaeroportos mais difíceis para o pouso na América Latina, devidoà pista curta e de difícil aproximação. REUTERS AAJ

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.