Embraer reverte lucro e tem prejuízo de R$ 48,4 mi no 3º tri

Segundo a empresa, perda com câmbio e derivativos no período soma R$ 366,8 milhões; endividamento cresce

Agência Estado,

04 Novembro 2008 | 07h14

A Embraer registrou prejuízo líquido consolidado de R$ 48,4 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo o resultado final positivo de R$ 306 milhões apurado em igual intervalo de 2007. A empresa informou que, no mesmo período, o resultado das contas de variação cambial e operação com derivativos foi negativo em R$ 366,8 milhões, ante resultados positivos de R$ 150,8 milhões no segundo trimestre e de R$ 34,8 milhões nos três primeiros meses do ano. Dessa forma, no acumulado de nove meses, o resultado das contas ficou negativo em R$ 181,2 milhões.  Veja tambémEntenda as operações de derivativos e suas conseqüênciasAracruz calcula em US$2,13 bi perda com derivativosDe olho nos sintomas da crise econômica Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundoVeja os primeiros indicadores da crise financeira no BrasilLições de 29Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise   A companhia obteve Ebitda (ganho antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 356,3 milhões de julho a setembro, uma queda de 17,68% frente ao apurado no mesmo período do ano passado, e a receita líquida totalizou R$ 2,638 bilhões, o equivalente a recuo de 3,31% na mesma comparação. A margem Ebitda da empresa no terceiro trimestre ficou em 13,5%, ante 15,9% em igual intervalo de 2007. Os dados seguem o padrão contábil BR Gaap. O lucro bruto da companhia subiu de R$ 436,2 milhões, no terceiro trimestre do ano passado, para R$ 552,2 milhões, porém o lucro operacional antes do resultado financeiro caiu de R$ 346,9 milhões para R$ 241,7 milhões na mesma comparação. A companhia informa que, no terceiro trimestre, apurou despesa financeira líquida de R$ 2,7 milhões, ante receitas financeiras líquidas de R$ 29,4 milhões no mesmo intervalo do ano passado. A Embraer informa ainda que possui em sua carteira operações com instrumentos derivativos, como Non-Deliverable Forward (NDF), "para equalização de possível descasamento no fluxo de entradas e saídas em moeda estrangeira", com o objetivo de proteger seu patrimônio e fluxo de caixa. Em 30 de setembro de 2008, a Embraer carregava em sua carteira de hedge, posições de NDF, cujos totais somavam US$ 875 milhões. Endividamento A Embraer encerrou o terceiro trimestre de 2008 com uma dívida de R$ 2,762 bilhões, montante 4,9% maior que o mantido ao final do segundo trimestre deste ano. Em seu balanço financeiro, a companhia informa que o endividamento de curto prazo representou 44,5% do total das linhas de crédito da empresa no período, ante 50,1% do trimestre anterior. Ao final de setembro, informa a fabricante, 26,9% do endividamento total estava denominado em reais, a um custo médio ponderado de 7,71% ao ano, enquanto os 73,1% restantes estavam denominados em moedas estrangeiras, basicamente em dólares, estando sujeitos a juros médios ponderados de Libor mais taxa de 1,16% ao ano, acrescidos da variação cambial. O prazo médio da dívida da Embraer é de 3,5 anos.

Mais conteúdo sobre:
Embraerbalançoderivativos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.