EMI estuda venda de músicas sem travas contra pirataria

A gravadora EMI está negociando o lançamento de grande parte de seu catálogo de músicas para venda na web sem proteções contra cópias ilegais que são atualmente incluídas na maior parte das músicas compradas online, afirmaram fontes na quinta-feira. O presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, pediu esta semana para que as gravadoras desistam de distribuir músicas com travas contra pirataria. Isso mudaria dramaticamente a maneira como música é vendida na web, tornando muito mais simples para os consumidores transferirem músicas entre dispositivos e pessoas diferentes. A questão é determinar se as vendas cresceriam por causa do uso mais simples desses arquivos ou se a pirataria aumentaria. Uma fonte próxima do assunto informou que a EMI está negociando o lançamento de uma grande quantidade de músicas no formato desprotegido MP3 para várias lojas online. Outra fonte da indústria, afirma que a EMI está buscando grandes pagamentos adiantados dos varejistas em troca pelo direito de venderem músicas em MP3. Uma segunda fonte da indústria também disse que a EMI está negociando com a Snocap, uma companhia fundada pelo criador do Napster, Shawn Fanning, para lançamento de músicas em MP3 no site de redes sociais do conglomerado de mídia News Corp, o MySpace. Uma porta-voz da EMI informou que a empresa não comenta rumores. Representante do MySpace preferiu não falar sobre o assunto. Uma assessora da Snocap disse que "não há acordo" e não quis comentar sobre possíveis negociações em andamento. "A Snocap tem um ótimo relacionamento com todas as principais gravadoras e conversa com elas freqüentemente", disse ela. A porta-voz da EMI disse, entretanto, que a gravadora já experimentou o lançamento de músicas em MP3 e tem lançado singles de artistas populares como Norah Jones e Lily Allen nesse formato. "Os resultados foram positivos", afirmou a porta-voz da EMI, acrescentando que "a falta de interoperabilidade entre uma crescente variedade de hardware e plataformas digitais de entrega de música está se tornando um problema cada vez mais importante para os consumidores e a EMI tem trabalhado com vários parceiros para encontrar uma solução". Jobs afirmou que não vê vantagem nas gravadoras continuarem vendendo mais de 90% de seus catálogos em CDs sem proteção de direitos autorais ao mesmo tempo em que continuam vendendo a porcentagem restante recheada de proteções contra cópias. A Apple também deve retomar no início de março negociações com as quatro principais gravadoras do mundo sobre os termos da parceria com a iTunes Music Store, informou uma fonte próxima da situação. As quatro grandes - Universal Music Group, Sony BMG Music Entertainment, EMI Group e Warner Music Group - negociaram extensões de prazo de um ano com a Apple no ano passado, segundo informou a fonte.

Agencia Estado,

09 Fevereiro 2007 | 15h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.