Empresa austríaca só aceita candidatos de cinco signos

Seguradora concluiu que melhores empregados são dos signos de capricórnio, touro, aquário, áries ou leão

Marcio Damasceno, BBC

06 de fevereiro de 2009 | 10h33

Uma empresa de seguros da Áustria está recorrendo à astrologia para selecionar novos funcionários. Em anúncio publicado em um jornal do país, a corretora busca novos candidatos para comercializar seguros, tomando por base os signos do zodíaco. "Procuramos pessoas a partir dos 20 anos de idade para emprego de meio expediente no setor de vendas/gerenciamento que tenham os seguintes signos: capricórnio, touro, aquário, áries ou leão", diz a nota, impressa na seção de classificados de jornais da cidade de Salzburg. Representantes da empresa garantem que os signos são ideais para o cargo anunciado, corretores de seguros. "A estatística nos mostrou que os melhores funcionários possuem sempre um dos cinco signos", afirmou um responsável pela empresa, cujo nome não foi divulgado, em entrevista à imprensa austríaca. "Fizemos uma sondagem e buscamos os melhores funcionários de toda Áustria. Eles tinham quase sempre um dos cinco signos", explicou. "Então, decidimos seguir esse sistema e procurar apenas os melhores." Juristas austríacos não veem problema no curioso método de triagem de mão-de-obra. A prática constitui uma seleção e não uma discriminação, na avaliação de ngela Riegler, especialista em direito trabalhista da Câmara do Trabalho de Salzburg, entidade representante dos direitos de empregados e consumidores da cidade. "Se eu, enquanto empresa, me dirigir a certos signos e dizer: quero, por exemplo, apenas pessoas de peixes, então posso partir do princípio de que dentro desse grupo de pessoas nascidas sob o signo de peixes, existam velhos e jovens, homens e mulheres e por aí em diante ", exemplificou Riegler. "Seria, claro, uma restrição, mas não uma discriminação", completou a advogada.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.