Empresa de jogos para celular busca quem odeia esperas

Para fabricantes, momentos "irritantes do dia" são os melhores para jogar pelo celular

Reuters

24 Agosto 2007 | 11h32

A Glu Mobile, produtora de jogos para celulares, quer eliminar o tédio que assalta o motorista de táxi quando ele tem de esperar por uma corrida, ou os passageiros nos intermináveis minutos que antecedem a chegada de um trem.   Veja também:  Começa na Alemanha a Games Convention '07  Veja imagens do evento  Assista ao vivo   "Estamos realizando uma campanha de publicidade externa, na Espanha, usando os ônibus municipais como painéis, e o slogan é 'adoro esperar'", disse Patrick Mork, diretor de marketing da Glu para a Europa, Oriente Médio e África. Sua empresa lança cerca de 20 a 25 jogos por ano, com custos de desenvolvimento médio de entre US$ 100 mil e US$ 350 mil por título.   "É cínico, de certa forma, porque ninguém gosta de esperar o ônibus ou o metrô, mas o ponto que estamos tentando comunicar é o de que aquelas porções irritantes do dia, nas quais você não sabe direito o que fazer - quando está esperando o ônibus, como sempre 15 minutos atrasado -, são o momento perfeito para um jogo no celular", disse Mork à Reuters.   Graças aos períodos mais curtos de desenvolvimento, se comparados aos dos jogos para consoles, a Glu é capaz de oferecer aos usuários mais conteúdo baseado em jogos de tabuleiro populares em cada região, ou em esportes, e seus títulos podem ser jogados em apenas alguns minutos, em qualquer lugar.   "Nem todo o mundo quer jogar um videogame de combate no celular. É preciso oferecer uma espécie de salgadinho, no setor de videogames, além das refeições com 12 pratos", disse Mork durante a Games Convention de Leipzig.   "Os jogos para celulares não concorrem de forma alguma com os videogames, vistos de maneira mais ampla. Se alguma coisa, nós os complementamos, os ajudamos a crescer", disse.   A Glu recentemente fechou acordos para distribuir os jogos da Konami para celulares, entre os quais o Pro Evolution Soccer, bem como para desenvolver títulos como Age of Empires III e Call of Duty 4. Ela concorre com a Electronic Arts e com a européia Gameloft.   Além dos riscos mais baixos, associados ao lançamento de maior número de títulos, os jogos para celulares se mantêm atuais aos jogadores por mais tempo, porque eles podem descobrir games pela primeira vez ao trocar de aparelho, plano ou operadora.   A Glu está considerando entrar no mercado de jogos eróticos para celulares com títulos como uma espécie de "sexy pôquer" para combater ofertas rivais. "Conteúdo erótico é um grande assunto nós (enquanto indústria). Toda operadora alemã fica dizendo 'você precisa desenvolver jogos eróticos"', disse Sabine Hahn, gerente da região central da Europa da Glu.

Mais conteúdo sobre:
Games Celular

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.