Empresa fará recrutamento de funcionários no Second Life

Para quem procura um emprego, uma viagem ao mundo virtual pode ser importante para encontrar uma vaga real. A agência interativa TMP Worldwide, especializada em recrutamento, permitirá que empresas realizem feiras de empregos e entrevistem potenciais novos funcionários no espaço da agência no mundo virtual do Second Life. O Second Life tem mais de 3 milhões de perfis de usuários registrados, bem como sua própria economia e moeda. Dezenas de companhias criaram representações nele, incluindo Reuters, IBM e General Motors, na expectativa de se promoverem entre internautas. Mas a TMP é a primeira companhia a definir um serviço de recrutamento real no Second Life, disse Louis Vong, vice-presidente de estratégia interativa da empresa. Até agora, recrutamento no mundo virtual era limitado apenas a vagas de empregos também virtuais. "Muitas empresas gastam dinheiro em feiras de empregos em centros de convenções ou em hotéis", disse Vong. "Estamos dizendo que podemos fazer tudo isso no Second Life." A área da TMP dentro do mundo virtual permitirá que clientes façam eventos de recrutamento e construam réplicas virtuais de seus escritórios. Um avatar - representação gráfica do usuário no mundo online - de um recrutador real entrevistará avatares de candidatos usando tecnologia de mensagens instantâneas. A TMP informou que vai fazer análises dos candidatos antes de marcar entrevistas para ter certeza de que as pessoas são quem elas dizem que são. Com a estratégia, a companhia recebe currículos reais, bem como endereços de e-mail e chance de promover sua marca entre uma audiência sofisticada de internautas com idades entre 18 e 44 anos, informou a TMP. O candidato real também pode ganhar um pára-quedas. Um visitante do estande da operadora celular T-Mobile USA na área da TMP pode ganhar um celular virtual para usar no Second Life ou um convite para pular de pára-quedas do prédio de 20 andares da agência no mundo virtual.

Agencia Estado,

13 Fevereiro 2007 | 17h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.