Empresa francesa construirá 'sarcófago' sobre Chernobyl

O segundo 'sarcófago', que cobrirá o atual, terá 257 metros de comprimento, 150 de largura e 108 de altura

Efe,

25 Julho 2007 | 19h56

A companhia francesa Novarka construirá um segundo "sarcófago" sobre o reator 4 da usina nuclear de Chernobyl, anunciou o Ministério de Situações de Emergência da Ucrânia.   A estrutura tem esse nome por se assemelhar a um caixão de cimento gigante, que evita que a radiação se espalhe. O quarto reator de Chernobyl foi cenário da maior catástrofe na história da energia atômica, no dia 26 de abril de 1986, e apresenta rachaduras e vazamentos radioativos.   A Novarka foi ganhadora da licitação organizada pelas autoridades ucranianas. A empresa recebeu a aprovação da assembléia de doadores que se reuniram recentemente em Londres, informou um porta-voz do ministério, citado pela agência russa Interfax.   O presidente ucraniano, Viktor Yushchenko, tinha ameaçado realizar um novo concurso porque a Novarka se negava a garantir a segurança do "sarcófago" e das instalações no entorno para os próximos 100 anos.   O Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (Berd) foi encarregado de negociar com o consórcio francês, integrado pelo grupo francês Vinci et Bouygues, pelo alemão Hochtief e pela anglo-alemã RWE Nukem.   Yushchenko, que estimou em US$ 1,9 bilhão o custo das obras, afirma que, por questões de segurança, o novo "sarcófago" deve estar pronto antes de 2010. O primeiro foi construído por trabalhadores soviéticos, logo após o acidente.   O segundo "sarcófago", que cobrirá o atual de aço e concreto, será uma caixa de 257 metros de comprimento, 150 de largura e 108 de altura.   As autoridades ucranianas advertem que as três outras unidades da usina, fechada em dezembro de 2000, ainda contêm combustível nuclear. Por isso, o perigo de vazamento de radiação ainda existe.

Mais conteúdo sobre:
chernobyl reator nuclear ucrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.