Empresário não aceita dividir prêmio com funcionário

A decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de dividir o prêmio da Mega-Sena entre o empresário Altamir José da Igreja e o marceneiro Flávio Júnior Biassi não foi suficiente para colocar fim à disputa de cinco anos.

EQUIPE AE, Agência Estado

16 de agosto de 2012 | 11h53

O advogado Péricles Prade prometeu entrar com recurso para que Igreja receba integralmente os R$ 28 milhões do bilhete premiado em 2007. Com juros e correção, o valor é de R$ 36 milhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
loteriasMega-SenaJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.