Empresário propõe legalizar a venda de insetos como comida

Proposta foi feita ao Ministério da Agricultura, que vai estudá-la; esses animais são consumidos em dezenas de nações

Célia Froufe / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2011 | 00h00

Um empresário de Betim (MG) propôs ao governo legalizar a venda de insetos como fonte de proteína para humanos. Segundo Luiz Otávio Pôssas Gonçalves, dono da empresa Nutrinsecta, a criação de insetos é mais produtiva que a de bovinos e gera menos impacto ambiental.

O pedido de registro de "estabelecimento produtor de insetos para consumo humano" chegou ao Ministério da Agricultura em abril. O governo estuda a entomofagia (prática de comer insetos) e não tem data para responder. Mas, apesar de alegar que se trata de tema controverso, a pasta pediu indicação bibliográfica ao produtor, por acreditar que ele ainda será muito estudado. "O Brasil tem uma biodiversidade extraordinária e uma sugestão como essa pode surgir, mas não temos visão sobre esse tema para o futuro", disse o ministro Wagner Rossi.

Há três anos, especialistas se reuniram na Tailândia para discutir como explorar o potencial nutricional e comercial das cerca de 1,4 mil espécies de insetos que as pessoas comem ao redor do mundo. O evento, organizado pela Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO, em inglês), identificou que a África (36 países), a Ásia (29 países) e a América (23 países) são os lugares onde esses bichos são mais apreciados.

Na opinião de Gonçalves, é o preconceito que impede o uso de insetos como ingrediente alimentício. "Quando era criança e ouvia falar que os japoneses comiam peixe cru, achava muito esquisito", exemplifica. "Amanhã ou depois estará todo mundo comendo sua baratinha", brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.