Empresários pedem ao governo corte de juros e mais crédito

Empresários dos setores produtivo e financeiro reunidos com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta quarta-feira, apresentaram demandas que incluem a ampliação da oferta de crédito, a desoneração dos investimentos e a queda da taxa de juros. Reivindicam ainda que o governo garanta a segurança jurídica de eventuais acordos trabalhistas fechados entre as empresas e os trabalhadores. O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, também participou da reunião. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy, o encontro do empresariado com o ministro passará a ser mensal. A iniciativa tem como objetivo criar um canal direto entre o governo e o setor privado durante a crise financeira global. "Nesta reunião não foi apresentada uma relação de medidas concretas que o governo vai anunciar", disse Godoy a jornalistas ao deixar o encontro. Ele relatou, no entanto, que Mantega voltou a dizer que o setor da construção civil receberá novas medidas do governo nos próximos 15 dias. Estão representados no encontro também os setores de automóveis, autopeças, siderurgia, máquinas, alimentos, construção civil, varejo, além de instituições financeiras. Nos últimos meses, o governo vem anunciando medidas de combate aos efeitos da turbulência internacional, entre elas a ampliação do crédito e a redução de impostos como o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para compra de automóveis. (Reportagem de Fernando Exman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.