Empresas reduzem consumo de energia e água

As empresas brasileiras têm buscado reduzir o consumo de recursos como água, energia e matérias-primas. De acordo com pesquisa realizada com 40 grandes empresas pelo escritório L. O. Baptista Advogados, de São Paulo, 75% das empresas afirmam manter programas para reduzir o uso de recursos naturais.

AFRA BALAZINA e ANDREA VIALLI, com EFE, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2010 | 00h00

Além disso, 55,5% das empresas que responderam ao estudo reduziram a geração de resíduos em seus processos de produção.

Ao mesmo tempo, ainda são poucas as companhias que possuem programas de gestão na área de mudanças climáticas: apenas 25% das empresas contabilizam suas emissões de gases-estufa.Em relação à cadeia produtiva, 32,5% das empresas pesquisadas exigem padrões de sustentabilidade de clientes e fornecedores.

Essas práticas, segundo o estudo, ainda estão se firmando na agenda dos negócios. Foram consultadas empresas de setores como construção, açúcar e etanol, tecnologia e energia.

Emissões caem 7% nos EUA em 2009

As emissões de gases-estufa nos Estados Unidos tiveram uma queda recorde de 7% em 2009, segundo o Departamento de Energia. No total, o país deixou de emitir na atmosfera 405 milhões de toneladas de carbono, a maior queda desde 1949. A crise financeira, que desacelerou a atividade econômica nos Estados Unidos, foi um dos fatores responsáveis pela queda. Medidas do governo também estimularam os americanos a poupar energia: houve queda de 4,8% no consumo de energia das famílias.

China terá recursos para reflorestamento

O Banco Mundial anunciou crédito de US $ 60 milhões (R$ 110 milhões) para reflorestamento em Shandong, na China. O objetivo é reduzir a erosão do solo e evitar a desertificação.

Falha tentativa da BP de estancar vazamento

O plano para conter o vazamento de petróleo da plataforma da British Petroleum (BP) que explodiu no Golfo do México, EUA, falhou ontem. O acúmulo de hidratos - cristais que contêm metano - está fazendo com que a cúpula de 100 toneladas flutue, e também entupindo a rota por onde o óleo que transborda seria transferido para navios. A BP agora tenta desentupir o domo, enquanto estuda alternativas. O encarregado da operação tentou demonstrar otimismo. "O que tentamos ontem não deu certo, mas ainda não diria que fracassamos", afirmou Doug Suttles.

Mais de 757 mil litros diários de óleo cru estão se derramando nas águas do Golfo. A imensa mancha negra que se formou ameaça criar um desastre ambiental em quatro Estados da costa oeste americana. Na Louisiana, voluntários tentam retirar o óleo impregnado no corpo de um pelicano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.