Empresas usam Ebola para dar golpe em investidores nos EUA, diz órgão regulador

Os reguladores do mercado de capitais dos Estados Unidos suspenderam nesta quinta-feira as negociações no mercado de balcão de ações de quatro pequenas empresas que diziam estar trabalhando no desenvolvimento de produtos para prevenir ou tratar o vírus do Ebola, e alertaram investidores a ficarem atentos a fraudes similares.

SARAH N. LYNCH, REUTERS

20 Novembro 2014 | 16h56

O órgão regulador do mercado de capitais norte-americano (SEC) afirmou ter suspendido as negociações das ações da Bravo Enterprises Ltd, de Nova York, da Immunotech Laboratories Inc, da Califórnia, da Myriad Interactive Media Inc, do Canadá, e da Wholehealth Products Inc, também da Califórnia.

A SEC também emitiu aviso sde que "vigaristas" podem estar buscando investidores sob a afirmação de que desenvolvem tratamentos ou medicamentos contra o vírus mortal.

Funcionários da Bravo Enterprises Ltd, da Immunotech Laboratories Inc e da Myriad Interactive Media não puderam ser imediatamente contatados para comentar o assunto.

Uma mulher que atendeu o telefone na Wholehealth Products desligou depois de dizer que a companhia era privada.

De tempos em tempos, a SEC divulga alertas aos investidores, especialmente quando fraudadores tentam atrair investidores usando temas com destaque no noticiário, como terremotos e furacões.

A SEC tem o poder de suspender as negociações de companhias por 10 dias.

Mais conteúdo sobre:
EBOLABOLSASEC*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.