Enchentes deixam 6,1 mil desalojados no RS

O governo do Estado montou o Comitê de Ação Solidária para recolher e distribuir donativos aos atingidos

ELDER OGLIARI, Agência Estado

09 de maio de 2008 | 18h28

O número de atingidos pela enchente do Rio dos Sinos voltou a subir nesta sexta-feira, 9, quando as águas que desceram das nascentes chegaram a Sapucaia do Sul e inundaram cerca de cem casas. Uma estimativa da Defesa Civil indica que o Estado tem 6,1 mil pessoas desalojadas, das quais 420 são consideradas desabrigadas por estarem em ginásios e centros comunitários. As demais procuraram hospedagem temporária em casas de familiares e amigos.Dezessete municípios decretaram situação de emergência. A situação é mais grave em Novo Hamburgo e São Leopoldo, cidades que têm dois mil desalojados cada uma. Em Novo Hamburgo, o técnico agrícola Nicolay Negri, de 18 anos, caiu no rio dos Sinos na noite de quarta-feira e ainda não foi encontrado pelos bombeiros. O governo do Estado montou o Comitê de Ação Solidária para recolher e distribuir donativos aos atingidos. Os serviços de meteorologia indicam que as águas tendem a baixar amanhã em Novo Hamburgo e São Leopoldo, assim como já ocorreu em Taquara, cidade mais próxima das nascentes. Como não há perspectiva de chuva, é provável que a maioria dos desalojados possa voltar para suas casas. A cheia do Sinos é resquício do ciclone extratropical que provocou vendavais e muita chuva no litoral e na encosta da serra no sábado. A torrente desceu para os vales, fazendo com que os rios transbordassem e inundassem as zonas próximas às suas margens.

Mais conteúdo sobre:
ciclone extratropical

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.