Imagem Luiz Horta
Colunista
Luiz Horta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Enclave secreto

Vinhos galegos que não são Albariños, sendo um deles tinto de lugar difícil de encontrar no mapa

Luiz Horta ,

25 de novembro de 2010 | 09h58

 

Conheço bem Telmo Rodríguez, o produtor viajante espanhol que roda seu país procurando vinhedos esquecidos, recuperando estilos e atrevendo experiências.

Como só viaja de carro e não tem nada a ver com os consultores que atuam pelo mundo, pejorativamente chamados de flying winemakers, inventou para si o título "driving winemaker". Pois esse viajandão me pegou de surpresa com estes dois vinhos, um tinto de Mencía e um branco de Godello, chamados Gaba do Xil.

Numa prova de grandes tintos espanhóis, em que o Mencía entrou quase de gaiato enfrentando Prioratos, Riberas del Duero e Toros, fui conquistado pela fruta exuberante, facilidade de beber e tom amigável do líquido tinto. Um vinho fácil, direto, gostoso.

Como o rótulo não me dizia nada, fui ver do que se tratava. Uva Mencía, denominação de origem Valdeorras. Como? Mencía é a casta emblema do Bierzo, Valdeorras, quase desconhecida, fica na Galícia. Nada fazia muito sentido. Conhecemos a Galícia pelos Albariños, nunca por um tinto.

O Atlas Mundial do Vinho deu a pista. Valdeorras está na fronteira entre Bierzo e a Ribeira Sacra, onde a variedade autóctone Godello ressurge com destaque. O outro vinho Gaba do Xil é o branco dessa uva. A trama deixou de se adensar. Tudo fez sentido.

 

Confira a análise dos vinhos:

linkGaba do Xil Mencía 07

linkGaba do Xil Godello 08

 

 

Telmo Rodríguez, que reassumiu a vinícola familiar, a notável Granja Nuestra Señora de Remelluri, na Rioja Alavesa, descobriu os solos montanhosos e graníticos, o clima sob forte influência marinha e completou seu mapa espanhol. Numa recente conversa, ele me disse que sua busca é pela fluidez e facilidade de beber dos vinhos, e não por grandes complexidades e dificuldade. Os dois vinhos de Valdeorras, em especial o tinto, funcionam como bem-sucedida defesa dessa tese.

 

 

Veja também:

linkDiga yuzú, não yúzu

linkIn natura, é raro. Mas você pode provar outras versões

linkUm gosto de Japão em forma de geleias e molhos

linkUm limãozinho entre a lima-da-pérsia e a mexerica

linkNo outono, as ruas de Kyoto têm cheiro de yuzu

 

Leia Mais:

linkUm fettuccine sob medida para o papa

linkFestival de cozinha de Israel traz Moshe Basson e a cozinha 'bíblica'

linkCaça ao hambúrguer perfeito entra na reta final

linkA casa é nova, mas o sushiman é um velho conhecido na Liberdade

linkBatata-doce provocante

linkRoseane usa dólmã e é universitária

linkChefs, caldo dashi e videotape

linkO dedo de Deus 

blog Blog do Paladar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.