Encontrado na Patagônia novo fóssil de dinossauro

Uma vértebra do tamanho de um homem é o cartão de visita do Puertasaurus reuili, provavelmente o maior dinossauro herbívoro do mundo, habitante gigante da Patagônia há 70 milhões de anos. A descoberta apresentada, na sexta-feira, pelo paleontólogo Fernando Novas, no museu de Ciências Naturais Bernardino Rivadavia, de Buenos Aires, foi feita em 2001 em Cerro de los Hornos (sul da Argentina), durante uma expedição financiada pela National Geographic Society de Washington, pelo Conselho de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) e pela Agência Nacional de Promoção Científica e Técnica de Buenos Aires.A vértebra dorsal gigante foi descoberta pelo paleontólogo do museu de Treleu, Pablo Puerta, que deu o nome à nova espécie de dinossauro, pertencente à categoria dos Saurópodes, herbívoros de pescoço e cauda imensos que remontam à era Mesozóica. O fóssil, que pelo tamanho foi comparado por Novas "ao pneu de um trator", mede um metro de altura por 1,70 metro de largura. Outros fósseis, restos menores de outras duas vértebras, talvez pertençam à cauda do Puertasaurus. Uma outra vértebra, supostamente do pescoço do animal e medindo 1,40 metro de largura, estava fragmentada em mais de 60 pedaços e foi reconstruída pelo cientista Santiago Reuil. Estes ossos estavam incrustados nas rochas a cerca de seis metros de profundidade, e foi preciso mais de uma semana de trabalho duro para retirá-los do subsolo e revesti-los de gesso para poderem ser transportados.Por enquanto, são os únicos vestígios do gigante pré-histórico já descobertos, mas suficientes para os cientistas elaborarem o perfil de um dinossauro entre 35 e 40 metros de comprimento, com cerca 100 toneladas e, segundo o paleontólogo Fernando Novas, capaz de abrigar um elefante inteiro no estômago.Apesar do seu tamanho, o Puertassauro, considerado atualmente como o provável "maior dinossauro do mundo" na disputa entre os gigantes pré-históricos, era um herbívoro pacífico que se alimentava exclusivamente de plantas.

Agencia Estado,

24 de julho de 2006 | 17h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.