Energia nuclear é opção para a Austrália, segundo relatório

O uso da energia nuclear é uma opção paraa Austrália, mas cara, afirma um estudo encomendado pelo governoaustraliano a uma equipe de pesquisas.O grupo, chefiado por Ziggy Switkowski, ex-presidente dacompanhia australiana de telefonia Telstra, explicou que a energianuclear seria de 20% a 50% mais cara que a convencional. Por isso, sóseria uma opção competitiva se fosse compensada pelo pagamento por emissões de gases doefeito estufa.O processamento, a conversão e o enriquecimento do urânio dentroda Austrália produziriam US$ 1,4 bilhão ao ano, se todo o processose realizasse dentro do país."No entanto, as altas barreiras comerciais e tecnológicaspoderiam dificultar a entrada no mercado. É preciso eliminar osimpedimentos legais e regulamentares, e ainda haveria umaoportunidade real para que as empresas australianas pudessem terlucro nesta área", disse o relatório. Para realizar o estudo, o grupo de trabalho visitou dois reatoresnucleares nos quais ocorreram acidentes, o de Chernobyl, naUcrânia, e o de Three Mile Island, nos Estados Unidos. O relatório foi fortemente criticado por grupos ambientalistas epela oposição trabalhista. O líder oposicionista Kim Beazley opinouque o futuro da Austrália passa pelas energias renováveis e pelatecnologia para o uso limpo do carvão. O especialista em energia nuclear da organização Amigos da Terra,Jim Green, disse em comunicado que o relatório revela que o uso deenergia nuclear, além de perigoso, seria caro e, portanto, nãocompetitivo para a indústria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.