Energia renovável é trunfo da China na Rio+20

Conferência começa na quarta-feira com participação de governos e sociedade civil

O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2012 | 03h05

Segunda maior economia do mundo e maior poluidor do planeta, a China chega à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, com alguns avanços em relação a um crescimento mais verde.

O país lidera o ranking dos que mais investiram em energia eólica, solar e na construção de hidrelétricas, as chamadas fontes renováveis. Mas o consumo do carvão, o mais poluente dos combustíveis fósseis, segue alto.

Na Rio+20, a China deve manter a posição de rejeitar um acordo vinculante, além de atribuir novamente às nações ricas a responsabilidade pela mudança do atual modelo de desenvolvimento e pelo financiamento da transição a um arranjo mais sustentável.

Os Estados Unidos também deverão sustentar a posição adotada em outras conferências. O governo americano não confirma a participação do presidente Barack Obama na Rio+20 e faz questão de dizer que o país não vai assumir nenhum acordo neste momento. Dados recentes indicam que a emissão de gases de efeito estufa caiu, mas em consequência da crise econômica, não de um esforço real. A emissão desses gases é apontada como principal fator para o aquecimento global.

A partir desta quarta-feira, governantes, diplomatas, ambientalistas, empresários, cientistas e outros representantes da sociedade civil de vários países iniciam as discussões em busca de um caminho que alie crescimento econômico, justiça social e conservação do meio ambiente. A Rio+20 ocorrerá no Rio, entre os dias 13 e 22 - 20 anos após a realização da Rio-92, conferência história que reuniu representantes de mais de 170 países, entre eles 108 chefes de Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.