Ensino particular cresce 63,7% no interior de SP

O crescimento da oferta de ensino superior no Estado de São Paulo nos últimos anos percorreu caminhos opostos para universidades públicas e privadas. As faculdades, centros universitários e universidades particulares aumentaram sua presença no interior: foram 63,7% mais instituições entre 2000 e 2007. As públicas focaram investimentos na Grande São Paulo, com crescimento de 85,7% no mesmo período.Os números são de uma pesquisa realizada pelo Sindicato das Entidades Mantenedoras dos Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp), obtido com exclusividade pelo jornal O Estado de S.Paulo. Os resultados mostram que em quatro indicadores - quantidade de instituições, de alunos ingressantes no vestibular, de estudantes que concluíram o curso e dos que estavam matriculados - as universidades privadas tiveram aumento maior no interior. Para o presidente do Semesp, que congrega apenas instituições particulares, Hermes Figueiredo, a região da Grande São Paulo já estava praticamente saturada, com pouco espaço para crescimento. ?Além disso, houve um deslocamento da atividade econômica de São Paulo para cidades do interior como Araras, Ribeirão Preto, Campinas?, diz. ?De 2000 para cá, muitas escolas de educação fundamental e média aproveitaram espaços ociosos, à noite, e abriram faculdades.?Em relação à qualidade, porém, como as públicas normalmente têm notas maiores, a Grande São Paulo sairia ganhando. No último Exame Nacional de Desempenho do Estudante (Enade), alunos de universidades privadas de todo o País tiveram média 44,9, enquanto a média das públicas foi 48,5. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.