Entenda as conseqüências da morte de Benazir Bhutto

Morte da ex-premiê terá conseqüências para política e segurança da região.

BBC Brasil, BBC

27 de dezembro de 2007 | 23h55

A ex-premiê do Paquistão Benazir Bhutto, que governo o país por duas ocasiões, foi assassinada enquanto fazia campanha para seu partido para as eleições parlamentares, marcadas para o dia 8 de janeiro.Veja abaixo perguntas e respostas sobre as conseqüências da morte da política paquistanesa.Qual será o impacto da morte de Bhutto no Paquistão?Bhutto era uma das principais lideranças entre os diversos partidos do país. Ela esperava que seu partido, o PPP, sairia das eleições de janeiro como principal força política do Paquistão.A eleição parlamentar é a primeira desde que o presidente do país, Pervez Musharraf, renunciou à chefia das Forças Armadas e se tornou um líder civil.A morte de Bhutto criou um vácuo político.A família Bhutto é lendária no Paquistão. O pai da ex-premiê, Zulfiqar Ali Bhutto, também serviu como primeiro-ministro do país. Ele foi enforcado depois de ser deposto por um golpe do general Zia-ul-Haq.Benazir Bhutto era uma personalidade polêmica.Educada no Ocidente e carismática, ela se apresentava como uma força moderada e democrática e era tratada assim em grande parte do mundo ocidental.Os Estados Unidos esperavam que ela pudesse restaurar a legitimidade popular da guerra contra militantes islâmicos, uma tarefa que fracassou nas mãos do presidente Musharraf.Mas ela também era vista como uma liderança que usou o seu tempo no governo para benefícios financeiros próprios. Ela enfrentou uma série de processos, tanto dentro como fora do Paquistão. Militantes islâmicos a odiavam por suas visões pró-Estados Unidos.Este ano, Bhutto e Musharraf estavam trabalhando em um acordo para dividir o poder no país. As negociações fracassaram, transformando Bhutto na maior força de oposição a Musharraf.Quem poderia ter a assassinado?Grande parte dos analistas indicam que militantes pró-Talebã, que detêm cada vez maior controle das áreas tribais da fronteira entre Paquistão e Afeganistão, seriam os principais interessados em matá-la.Eles nunca esconderam o seu desejo de matar Bhutto desde que ela voltou ao país em outubro, depois de anos de um exílio auto-imposto.No dia do seu retorno, 18 de outubro, um duplo ataque suicida contra uma carreata de Bhutto em Karachi matou mais de 130 pessoas.O que está em jogo para a região e para o resto do mundo?O futuro do Paquistão é um dos pontos importantes para a segurança mundial. Militantes pró-Talebã e aliados da al-Qaeda conseguiram formar um Estado próprio dentro de um Estado nos últimos anos.Eles têm conseguido lutar contra forças ocidentais no Afeganistão usando o Paquistão como base.Além disso, grande parte dos atentados realizados no mundo ocidental - como os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos - envolveram pessoas que receberam treinamento e apoio dentro do Paquistão.O Paquistão também enfrenta uma rivalidade com a Índia, país vizinho ao leste. Os dois países têm armas nucleares.Quais são as opções do presidente Musharraf?Musharraf já pediu calma diante dos episódios de violência que surgiram desde a morte de Bhutto.Uma decisão urgente a ser tomada é se o governo mantém as eleições parlamentares marcadas para o dia 8 de janeiro. O país acabou de sair neste mês de um período de estado de exceção, em que o governo afastou juízes que poderiam declarar inconstitucional a eleição de Musharraf.A popularidade do presidente caiu muito em 2007, em parte pela incapacidade do governo de derrotar os militantes islâmicos. Musharraf também deixou a chefia das Forças Armadas. Ainda não se sabe como o novo comandante, o general Ashfaq Pervez Kayani, vai lidar com os militantes.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.