Entre 2007 e 2011, Brasil registrou apenas 4 casos

Entre 2007 e 2011, o Brasil registrou apenas quatro casos de contaminação por HIV durante transfusões de sangue - um deles é o da paciente Luciane. No mesmo período, de acordo com o Ministério da Saúde, foram realizadas 16 milhões de transfusões, o que, para o governo, demonstraria a segurança e a qualidade do sangue dos hemocentros brasileiros.

O Estado de S.Paulo

12 de março de 2013 | 02h02

Segundo Guilherme Genovez, coordenador de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, Luciane foi contaminada pelo HIV no período da "janela imunológica" do vírus, fase em que nenhum exame disponível no mundo seria capaz de detectar a presença do agente no sangue.

Isso acontece porque a pessoa contaminada com HIV já começa a transmitir o vírus no segundo dia após o contágio, mas o exame mais moderno que existe (o teste NAT, que avalia a presença do vírus no sangue) só é capaz de detectá-lo a partir do nono dia.

O teste Elisa, que é o mais comum, detecta a presença de anticorpos no sangue, mas essa sensibilidade só é identificada entre 15 e 20 dias após o contágio.

Alto custo. Uma diferença importante entre eles - e decisiva para sua adoção ou não em escala nacional - é a questão do preço: o NAT disponível é importado e custa US$ 25 (R$ 50) por doação, enquanto o Elisa custa entre R$ 2 e R$ 3 cada.

Desde 2008, no entanto, Santa Catarina já usava o NAT para análise do sangue, pois integrava um piloto do ministério para avaliar a qualidade do NAT brasileiro, desenvolvido na Fiocruz.

No caso de Luciane, o doador do sangue era fidelizado. "Na época deste caso, as amostras do sangue do doador foram reanalisadas em Santa Catarina e enviadas para um novo exame no hospital Albert Einstein. Todas deram negativo para HIV, o que demonstra que nenhum exame disponível hoje no mercado seria capaz de identificar a presença do vírus", diz Genovez. / F.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.